OPINIÃO

Nós veremos a implosão da política brasileira em 2017?

27/12/2016 12:27 -02
Adriano Machado / Reuters
Drawings that represent rats are pictured in front of the National Congress during a protest against corruption in Brasilia, Brazil December 4, 2016. REUTERS/Adriano Machado

Mesmo analistas políticos calejados andam com alguma dificuldade em acompanhar e entender essa season finale da política brasileira em 2016.

Juristas divergem publicamente sobre a legalidade de ações do STF, do Senado, da Câmara. Estamos diante de um cenário absolutamente impossível de fazer previsões de mais de algumas poucas horas. O clima geral é de confusão, de revolta e até de desespero.

Aqueles militantes políticos seguem ainda mais confusos. Sobra ódio, falta memorando do partido informando como devem pensar. Nem senadores do mesmo partido se entendem.

Agora imaginem o cidadão comum, aquele que não dá tanta bola pra política, que vota, que reclama da situação do País, mas que mal lê jornal ou no máximo tem o Jornal Nacional como referência e o Whatsapp ou o Facebook como principal fonte de "informação" (não que a turma que se "informa" por outros meios esteja muito melhor).

Não faltam casos em que o dito "cidadão comum" é capaz de análises políticas mais refinadas e pé no chão do que a maior parte dos analistas com múltiplos diplomas por ser ele, em geral, o alvo de políticos e a vítima de políticas das mais diversas. A experiência, no caso, vem da própria pele.

Mas imaginem que se entre muitos de nós (classe média, intelectuais, acadêmicos, profissionais liberais com algum status, jornalistas, etc) a desesperança e a desconfiança em relação à política e políticos começa a despontar com força, imagina quem é vítima de primeira ordem de toda essa confusão, de todas as medidas que beiram o criminoso (como teto de gastos, como reforma da previdência que condena os mais pobres a morrerem sem nunca se aposentar, etc)?

Alguns autointitulados especialistas (em geral jornalistas com veia terrorista sem responsabilidade alguma, apenas subservientes ao seu partido) começam a "temer" este sentimento de "fora todos", de que "todos os políticos são iguais" e etc.

Antes de mais nada, o sentimento de revolta da população contra políticos, assim como a visão de que são todos bandidos não é nova. Nem de longe. O esporte favorito do brasileiro (depois do futebol) é falar mal de políticos. Sempre foi assim e provavelmente sempre será. Claro, o que vemos é um processo de radicalização dessa desconfiança/crítica bem brasileira (tipo quando o carioca encontra um amigo na rua e diz pra aparecer mais e el nunca aparece) que pode, sem dúvida, levar a uma desconfiança, digamos, mais ativa das instituições.

Não creio (ainda) no fenômeno Trump. Não penso que o Bolsonaro ou qualquer outro com veia mais radical (ou mesmo fascista) tenha ainda capacidade de atrair votos suficientes para se eleger ou sequer chegar num segundo turno. Pode, no entanto, ganhar força política e ter poder de barganha, mas penso que ainda exista um teto.

O problema é que não podemos viver de esperanças de que o extremo não vença e não temos muitas opções para combater esse crescimento do extremismo político, especialmente porque o extremismo tem se manifestado também à esquerda. Um extremismo petista que há tempos eu chamo de forma jocosa de neoPTcostalismo, mas que tem realmente tomado ares de patologia grave.

Voltando à questão da desconfiança: o problema maior não é sua existência ou mesmo seu aumento, e sim a completa e absoluta falta de alternativas. Não há nenhuma alternativa viável que se possa vislumbrar, nem vindo da direita, nem da esquerda. Um lado tem apenas o radicalismo de Bolsonaro, o PSDB carcomido de sempre ou alguma porcaria minoritária risível como o homem do Aerotrem ou algum pastor. Do outro lado líderes de DCE que não passaram dos anos 90 e são incapazes de ver o quão são ridículos ou Lula, o salvador da pátria envolvido até o pescoço em corrupção, mas com uma legião de fanáticos.

O flaxflu político em que estamos imersos cria dois polos absolutamente radicalizados, mas com uma imensa parcela da população no meio sendo forçada a escolher um dos lados -- especialmente diante da completa desmoralização de políticos e mesmo da política -- e pese minha crença (porque no fim é isso, uma crença, uma esperança) de que os extremos ainda não tem tanto poder de atração, é impossível saber até quando.

Diante da continuidade do impasse entre poderes e da completa corrosão da política brasileira em que realmente poucos ou quase nenhum se salva(m) é muito difícil ver maneiras de sair da crise em que nos metemos -- e cada vez mais soluções estremas parecem ser as únicas. Estamos diante do perigo real de erosão ou mesmo implosão das bases da democracia brasileira e o que sairá disso é muito difícil de prever.

LEIA MAIS:

- Donald Trump escancara a vitória da direita e o momento de reflexão para a esquerda

- 'Justiceiros sociais', o triunfo da vontade e da intolerância

Também no HuffPost Brasil:

10 séries de TV para quem gosta de política