OPINIÃO

Dilma perdeu na Câmara para seus aliados e por suas próprias políticas

18/04/2016 20:03 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Adriano Machado / Reuters
Brazil's President Dilma Rousseff reacts during a news conference at Planalto Palace in Brasilia, Brazil, April 18, 2016. REUTERS/Adriano Machado

O PT se aliou e deu força aos conservadores. De quebra, quando a esquerda tomou as ruas em 2013 os petistas gritaram "vai PM" e nos chamaram de vândalos.

O saldo de 13 anos do PT no poder será um período terrível para a esquerda e para os direitos humanos. O que vem pela frente será terrível. O que vivemos hoje já é terrível, é bom lembrar.

Foram 13 anos de cooptação e neutralização de movimentos sociais. O preço vai ser caro e virá mais rápido que dívida de Cartão de Crédito. Teremos uma lei antiterrorismopra quem governar usar como quiser, mais uma obra do PT: partido inconsequente que achou que ia se entronizar.

Foram 13 anos dando moral, verba e força pro lixo conservador, fascista, religioso e ruralista que hoje derruba(m) o governo.

De que adiantou Dilma afirmar que "feliz é a nação cujo Deus é o senhor"?

Deu força à corja mais reacionária, fanática, corrupta e perigosa.

É um horror ouvir a turma falar "em nome de deus"?

Falar em nome da família?

Carregar livros do "Olavão"?

Sim. Para todas as perguntas.

Assim como é um horror assistir a um deputado petista falando que defende indígenas, quilombolas ou trabalhadores.

Maluf votou contra o PT.

Marco Feliciano, pra quem o PT entregou a CHD, votou contra o PT.

Valeu à pena?

Aos amigos que hoje acordaram se sentindo desesperançosos na democracia do país, impotentes diante de um absurdo, não tendo sido ouvidos por mais que gritassem e se manifestassem...

Bem-vindos à sensação que a maior parte da oposição de esquerda ao governo Dilma - onde me incluo - têm desde os primeiros passos da construção de Belo Monte (e que seguiu com uma série de outros erros direitosos, culminando no pedido de urgência do governo na aprovação da lei antiterrorismo.).

Gosto amargo, né?

*De Barbara Gael, no Facebook

Não estaremos entregues à turma contra "ensino de sexo nas escolas" ou pela "paz de Jerusalém", porque estes em peso já governavam com o PT e ganhavam benesses do Estado, mas estaremos mais fracos do que nunca.

O PT voltará para a oposição e, infelizmente, será recebido de braços abertos pela esquerda para, uma vez mais, fortalecido, voltar a governar com os mesmos fascistas de sempre.

O PT irá, mais ainda, se apoiar na esquerda em que batia nas ruas e aplaudia quem batia, que xingava de "esquerda que a direita gosta".

E notem, o PT não irá fazer nenhuma autocrítica.

A narrativa do "golpe" é, como de costume ao PT, forma de culpar os outros pelos seus erros.

O PT irá impor a narrativa do golpe e exigirá em 2018 apoio cego da esquerda ao Lula para repetir os mesmos erros (que não são erros, é apenas estratégia).

O que mais me irrita nisso tudo é a hipocrisia e a desmemória. Gritam contra a imprensa como se o governo não tivesse passado todos os anos no poder enchendo a principal emissora do País de grana (mais de 6 bilhões de reais).

Gritam contra Cunha, como se este não tivesse sido um importante aliado, oras, gritam contra Michel Temer, quando antes gritavam por seu nome em quase êxtase.

O PT nunca ousou levantar o dedo contra a mídia ou contra os interesses de poderoso algum.

Como disse o Gustavo Gindre:

O grande responsável por esse massacre mediático é a omissão e mesmo a cumplicidade dos 13 anos de governos petistas em relação aos grandes grupos de mídia.

Na verdade o PT se dedicou a criar também uma mídia própria, tão suja e mentirosa quanto a que diz se opor.

O PT escolheu esse caminho.

Escolheu seu caminho e escolheu a altura do precipício do qual se jogou. Escolheu os aliados, escolheu Temer.

E escolheu as empreiteiras ao invés dos movimentos sociais.

Porém, o PT tem (ou teria) que ser derrotado nas urnas e nas ruas pela esquerda, como foi derrotado na narrativa pela esquerda em Junho de 2013. Não por impeachment comandado por (ex-aliados) criminosos, saudosos da ditadura e fanáticos neopentecostais.

O PT não pode ser julgado por bandidos... Mas se aliar, ser apoiado e governar com bandidos pode? É uma lógica que eu não entendo... Mas nunca nos esqueçamos da máxima "Lulou, tá novo".

Como se vê, a narrativa de "golpe" imposta pelo PT e seus satélites não colou. Será que agora o PT fará política de verdade ao invés de embarcar no vitimismo de quem é incapaz de assumir seus erros? Gritar "golpe" é apenas uma forma de dizer "eu não fiz nada, a culpa não é minha". Mas fez. O PT fez como os demais e pagou o preço. E nós pagaremos um preço mais alto ainda.

O País ainda vai sofrer muito por essa decisão. Por mais que eu deteste Dilma, abriram uma brecha tremenda. Não que Dilma não tenha cometido crime. Mas a questão é outra, os caras acham que é parlamentarismo. Mas não é.

Tanto que praticamente nenhum, ao votar, votou pelas razões na mesa. Simplesmente cansaram de ter outro administrando os roubos, quiseram tomar o controle de volta. Qualquer presidente agora terá de ceder muito mais, o parlamento ganhou um poder imenso.

A situação vai continuar ruim, tensa, a crise via continuar, mas o maior poço de bandidos do país terá ganho um poder imenso. Qualquer um que não tiver maioria estará enrascado. E por maioria digo o próprio partido mais um ou dois extremamente fiéis. E com 32 partidos no país a gente sabe a real.

LEIA MAIS:

- Jornalista petista sugere assassinato de Luciana Genro e causa revolta nas redes sociais

- Indignação seletiva, proximidade afetiva e o resto do mundo

Também no HuffPost Brasil:

Personagens do Impeachment