OPINIÃO

O nome dele era 'pão com ovo'

16/02/2016 18:23 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Stuart Minzey via Getty Images
Fried egg America

Leio a manchete de que um traficante conhecido como Pão Com Ovo foi preso. Minha primeira reação é de surpresa: um traficante com esse apelido? Intrigado, clico no link da notícia e fico sabendo que, além de ser um dos chefes do tráfico em Niterói, Pão Com Ovo era um dos criminosos mais sanguinários da região. A segunda reação não é exatamente uma reação, mas uma lembrança.

Quando jovem, ali por volta dos dezessete, dezoito anos, eu e um grupo de amigos conhecemos, numa festa, três irmãs que moravam num bairro vizinho ao nosso, todas com mais ou menos a nossa idade. Numa bela noite, um desses amigos e eu resolvemos fazer uma visita às garotas (nessa época, amigos ainda utilizavam os passeios de suas casas para conversar).

Mal iniciamos a conversa - não me peçam para lembrar sobre quais temas, isso foi apagado de minha memória - e uma delas nos informa que, chegássemos alguns minutos antes, escutaríamos uma troca de tiros que acontecera ali perto, protagonizada por um bandido conhecido como Sete Capas.

Meu amigo, hoje casado e pai de uma linda menina, àquela época era um boêmio, um bon vivant - e um bonachão. Eu, prudente - ou assustado, que seja -, comecei a pensar num bom motivo para dar o fora dali o mais rápido possível. A desculpa tinha que ser plausível, como lembrar-se de repente de alguma importante tarefa a ser realizada em casa, ou que amanhã teria de acordar muito cedo. Mas tente ser cauteloso ou realista com um boêmio. Não dá certo.

Quando as moças falaram em Sete Capas, que ele era um dos bam-bam-bans dali etc., meu amigo começou a fazer piadas com a alcunha do meliante. Ora, Sete Capas, até onde sabíamos, servia apenas como nome de um biscoito. E foi por esse caminho que seguiram os gracejos.

"Cream Cracker estava junto?", perguntou ele aos risos, nomeando, em seguida, quem seriam os cúmplices de Sete Capas: Maizena, Maria e Poca Zói - se bem que este último poderia, convenhamos, realmente ser o apelido de algum bandido. A gangue rival seria composta, meu amigo dizia, empolgado e matreiro, por Tostines, Bono, Negresco e Mirabel - ou Passa Tempo, não lembro.

Foi engraçado, é verdade. Mas, enquanto eu ria, pensava na possibilidade de alguém passar por perto, escutar alguma coisa e ir chamar o bandido. Imaginação fértil - ou medo demais -, você pode dizer. Respondo dizendo que sou escritor, ora essa.

Por sorte, nada aconteceu, e voltamos para nossas casas sãos e salvos.

LEIA MAIS:

- Eduardo Cunha e a presunção de culpa

- Que liberdade de expressão é essa?

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: