OPINIÃO

Jimmy Kimmel, Bill Maher e o governo Temer entram num bar...

O que leva parte da população e dos políticos a apoiarem medidas que vão contra o bem-estar da população é o egoísmo.

06/06/2017 11:50 -03 | Atualizado 06/06/2017 11:50 -03
Kevin Lamarque / Reuters
O apresentador da TV americana Jimmy Kimmel é defensor do Obamacare.

No fim de abril, o filhinho do Jimmy Kimmel, apresentador norte-americano, nasceu com um problema no coração que poderia matá-lo. Graças a Deus - e à medicina -, agora está tudo bem: o pequeno Billy já está em casa.

Bastante emocionado, Kimmel falou sobre isso num de seus programas recentes. Ao fim do relato, fez uma referência à proposta de Donald Trump de acabar com o Affordable Care Act (mais conhecido como "Obamacare"), lei que ampliou o acesso a planos de saúde nos Estados Unidos.

O apresentador afirmou que ninguém deve perder um filho por não ter dinheiro para pagar um tratamento, e que ao menos nisso democratas e republicanos concordam.

Mas a verdade é que não é bem assim.

A proposta dos republicanos para substituir o Obamacare é péssima e favorece as empresas de planos de saúde em detrimento dos "clientes" que não podem pagar planos caros. Como disse o Bill Maher, outro apresentador norte-americano, comentando a fala de Kimmel: com essa mudança, pessoas vão morrer e os republicanos sabem disso, mas é o preço que eles, republicanos, acham que deve ser pago.

Um desses republicanos, o deputado Joe Walsh, chegou a dizer o seguinte, via Twitter, para Kimmel: "desculpe, Jimmy Kimmel: sua história triste não obriga a mim, ou qualquer pessoa, a pagar pelo plano de saúde de outra pessoa".

Uma declaração completamente abjeta que comprova o seguinte: Bill Maher tem razão. E além de precisarmos admitir e enfrentar esta realidade, é preciso também falar sobre ela.

E aqui não me refiro mais aos EUA, mas ao Brasil: os que agora estão no poder não se importam se, com a Reforma da Previdência, pessoas vão morrer sem se aposentar. Ou se ampliando o tempo de contribuição - ou seja, de serviço -, mais pessoas terão problemas de saúde advindos do trabalho.

Eles também não se importam com o fato de que, com a terceirização, ficará mais difícil completar o tempo requerido na carteira de trabalho para ter direito à aposentadoria integral.

Aliás, não pensam assim apenas os que estão no poder. Muita gente que não está no poder, mas que apoia o atual governo ou "odeia" a "esquerda", pensa da mesma maneira.

Não dá para ficarmos apenas lamentando a insensibilidade alheia. É preciso pensar numa forma de abrir os olhos das pessoas que não enxergam a realidade por causa de um ódio irracional ao que eles acham que é "de esquerda". Muitas dessas pessoas confundem empatia e bom senso com "ser de esquerda". Isso é estúpido? É, sim. E muito. Mas precisamos fazer alguma coisa.

Além de tentar conversar e escrever textos como este, eu não tenho ideia nenhuma no momento. Mas é necessário pensarmos em alguma coisa. E rápido.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- A nova moda no Brasil: Corruptos contra a corrupção

- Atenção, Direita: O 'Estado-Odebrecht' não foi criado por Lula

Protesto contra Temer em Brasília