OPINIÃO

#ElasNaRio2016: O que você pode esperar da nossa cobertura nas Olimpíadas

27/07/2016 07:47 BRT | Atualizado 27/07/2016 07:47 BRT
Elsa via Getty Images
MONCTON, NB - JUNE 21: Marta #10 of Brazil reacts in the second half against Australia during the FIFA Women's World Cup 2015 round of 16 match between Brazil and Australia at Moncton Stadium on June 21, 2015 in Moncton, Canada. (Photo by Elsa/Getty Images)

Queira ou não queira, as Olimpíadas chegaram. Elas estão aí. Os problemas - de limpeza e de organização - já apareceram também.

Pode apostar que reportaremos os deslizes sem patriotada e com firmeza. Como, aliás, no caso da "piada" do prefeito carioca Eduardo Paes e os cangurus australianos.

Não é uma questão de Brasil, de brasilidade nem patriotismo. É uma questão de organização. Que vale para nós e para os outros.

Quando a bola rolar, as notícias inspiradoras que você tanto gosta voltam. E os Jogos Olímpicos são sempre singulares em criar novos momentos gloriosos para nossas retinas.

Sem flertar com o misticismo, mas fazendo um exercício rápido de futurologia, dá para dizer sem medo de errar que uma porção de sorrisos vai brotar.

Pelos gols - e pela humildade - de Marta, pela habilidade e pelo empoderamento de Fabiana Claudino, nossa capitã bicampeã do vôlei, mas também nos ippons de Mayra Aguiar, Sarah Menezes e Rafaela Silva e pelos socos de Adriana Araújo. Fabiana Murer chega com moral e as melhores marcas da carreira.

Mas o que dizer de Serena Williams, que chega ao Rio para mais uma vez exibir a forma, a força e habilidade que a colocam no panteão do esporte olímpico para sempre.

Por tudo isso, nossa cobertura - como você deve estar habituado -, vai ser delas.

Feita por elas também. No HuffPost Brasil estarão algumas das jornalistas mais talentosas do País para fazer da sua Olimpíada uma viagem única.

Então, não estranhe quando topar com a hashtag #ElasNaRio2016.

Ela vai nos acompanhar nas próximas semanas sempre que as mulheres estiverem no centro das atenções, nos debates e nas decisões.

Você pode esperar também um olhar divertido, irônico (sem rebaixar ninguém), os memes e o que a rede e os internautas brasileiros forem capazes de criar. E, meu Deus... Como você são rápidos!

Mas, sobretudo, espere pelo nosso projeto especial "Lado B Olímpico", com reportagens do esporte longe dos holofotes e dentro das comunidades e dos morros cariocas. O que aconteceu com os moradores e com a Vila Autódromo, um não-legado olímpico, também será retratado pelo nosso time.

Refugiados ou derrotas e vitórias de astros milionários e consagrados têm o mesmo tamanho para a nossa cobertura. Uma cobertura forte, viva e empoderada.

É que nossas bandeiras são maiores que qualquer esporte.

LEIA MAIS:

- Rainha Marta, a mulher que derrubou Pelé do trono do futebol brasileiro

- Joanna Maranhão e Twitter: uma aula de posicionamento para os atletas brasileiros

Marta, nosso orgulho no futebol brasileiro