OPINIÃO

Lava Jato e Carnaval

O Estado brasileiro é a Colônia Portuguesa do século 18 com supercomputadores e nota fiscal eletrônica!

17/02/2017 11:07 -02 | Atualizado 19/02/2017 23:29 -03
Getty Images/iStockphoto
A causa da corrupção, diz colunista, é a estrutura montada para "criar dificuldades e vender facilidades".

São indiscutíveis os avanços provocados pela Operação Lava Jato e suas ramificações. No país do "Sabe com quem está falando?", como bem coloca o antropólogo Roberto Damatta, os conceitos de igualdade perante a lei e impunidade eram, até então, temas de programas humorísticos, conversas de bar ou teses acadêmicas.

Mudou?

Com empreiteiros, políticos e banqueiros presos, parece que demos um passo adiante, que ficou mais caro transgredir e existem hoje desincentivos para quem deseja corromper ou ser corrompido.

A pergunta que não quer calar: garantia de punição é suficiente?

Sem base científica para a resposta, ofereço alguns exemplos que indicam minha resposta apenas com constatação empírica.

Há quantos anos o Estado combate traficantes nos morros do Rio de Janeiro?

Centenas de traficantes mortos depois, parece não esgotar a fonte de novos candidatos a chefes de morro.

Suspeito que mantida a mesma estrutura (fronteiras desguarnecidas, comércios de armas, alto consumo de drogas) haverá sempre um estímulo econômico grande para o surgimento de novos candidatos.

Ganância e poder estão presentes em toda a História da humanidade.

Repito: mesma estrutura, ganância e poder!

Parece que mais uma vez há confusão entre causa e efeito, o que leva a diagnósticos errados e remédios equivocados.

A corrupção é consequência de uma estrutura carcomida, feita para extorquir o cidadão, seja ele trabalhador ou empresário.

Por meio de uma seleção natural, a estrutura estatal sofisticou-se em seu parasitismo e só tem eficiência quando extrai do cidadão.

O Estado brasileiro é a Colônia Portuguesa do século 18 com supercomputadores e nota fiscal eletrônica.

A causa da corrupção é a estrutura toda montada para "criar dificuldades e vender facilidades".

Nada justifica as multas absurdas de 50%, 100% cobradas pelo Estado por atrasos de impostos, por exemplo. Multas e atrasos acumulados e corrigidos pela Selic... Ou seja, impagáveis!

Penalidades deve haver? Claro que sim, mas não penalidades que inviabilizem a atividade dos que produzem, ou que os levem a um jeitinho com um fiscal "flexível".

Certidões de certidões, alvarás que apenas alimentam a burocracia, poderes excessivos delegados a indivíduos que podem parar processos produtivos indiscriminadamente... São demandas que apenas criam ônus para o cidadão e que levam a busca de soluções "heterodoxas" e são o caldo de cultura da corrupção.

E esse caldo está mantido em níveis municipal, estadual e federal. Nada mudou!

Por tudo isso, como a catarse do Carnaval, há uma grande euforia da população ao ver as imagens de figurões algemados, acompanhados de policiais federais!

Mas, passados os quatro dias de alegria, chega a Quarta-feira de Cinzas e está tudo igual, com novos candidatos a corruptores e corruptos a operar a mesma estrutura podre.

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública. Se você deseja fazer parte do nosso time de blogueiros, entre em contato por meio de editor@huffpostbrasil.com.