OPINIÃO

Kim Kataguiri, a bunda dele e Ney Matogrosso

01/01/2016 15:12 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02
Reprodução/Facebook

Soube que o líder do Movimento Brasil Livre, Kim Kataguiri, é o novo blogueiro do Huffington Post Brasil desde novembro de 2015. Acho frutífera a diversidade de vozes, e Kim certamente tem um espaço público que vocaciona as vozes pró-impeachment de Dilma Rousseff. O rapaz chegou a se tornar uma das personalidades do ano da revista TIME. Ele merece o destaque que tem.

Mas é engraçado como alguém tão ilustre já teve uma atitude tão baixa com este humilde repórter que vos escreve.

Era mês de abril. O MBL marchou de São Paulo até Brasília com algumas dezenas de pessoas, prometendo chegar à capital e pedir a queda da presidente da República.

Chegaram em cerca de 300 pessoas, tiraram selfies com Marco Feliciano, Jair Bolsonaro e Eduardo Cunha, endossando gente que eu acredito que é bem corrupta na política.

Não era por mal. Mesmo trabalhando num site claramente de esquerda como o DCM (Diário do Centro do Mundo), eu sempre fui favorável ao diálogo. Decidi mandar um email para tentar entrevistar Kim ou os integrantes do Movimento Brasil Livre. Perguntei a eles como ia a marcha, se eles não notaram alguma semelhança com a Coluna Prestes, se existia incômodo com as piadas na internet dos esquerdistas e como pretendiam voltar.

Kim Kataguiri e seu MBL me mandaram uma bunda no email como sua resposta.

2016-01-01-1451611440-3642585-kimbundaney.jpg

Poderia dizer que foi apenas pura imaturidade de um rapaz de 19 anos, mas só consigo pensar que foi uma burrice cometida por alguém não muito equilibrado pra liderar um movimento político.

Kim poderia ter respondido as simples perguntas, como de praxe com qualquer imprensa. Poderia ter escolhido não responder, o que é sábio por parte de muitas pessoas que não querem contato com a mídia.

Ele escolheu o deboche, o escárnio e a nossa "não-entrevista" virou um perfil sobre o MBL que publiquei no DCM em maio.

Poucos meses antes, a mesma trupe do Movimento Brasil Livre agrediu verbalmente a reportagem de vídeo da revista Carta Capital durante um protesto.

Como podemos ser democráticos com provocações baixas? E como podemos não denunciá-las quando elas chegam na sua caixa de email?

É proibido ter outra opinião ou discordar?

Repito que acho democrático Kim ter seu espaço na imprensa, mas suas atitudes baixas também têm que vir a público.

Me deparei com o texto dele sobre de declaração do cantor Ney Matogrosso. Kim Kataguiri tirou uma foto com o artista querendo colocá-lo ao lado do Movimento Brasil Livre e foi chamado de "imbecil".

Em sua defesa, insistiu no argumento de que Ney é contra o governo Dilma martelando uma entrevista do El País e que não teria feito nada de errado.

Ele só esqueceu de citar exatamente a declaração de Ney Matogrosso na reportagem: "Sou [a favor do impeachment]. Se se demonstrar sua culpabilidade, ela deve sair".

Pela declaração de Ney sobre Kim, ele não quer se manifestar a favor de um movimento imprudente como é o MBL, que xinga jornalistas de esquerda e manda fotos de bunda para repórteres.

Ele é a favor do impedimento dentro dos rigores da lei. E, segundo muitos especialistas em direito, não há prova de culpabilidade da presidente até o momento. O assunto é tema de debates, coisa que o Kim não tem muita paciência para participar.

Enquanto o ativismo de direita, supostamente liberal, for "coisa de moleque", o diálogo fica seriamente comprometido.

KK precisa amadurecer antes de ficar enviando fotos de traseiros para jornalistas.

Também no HuffPost Brasil:

Protestos pró-impeachment

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: