OPINIÃO

Por que muçulmanos não devem se desculpar pelo terrorismo

05/04/2016 18:39 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02
Sergei Bobylev via Getty Images
SYRIA. APRIL 4, 2016. A Syrian woman at a camp for internally displaced persons in a former hotel of a car-building plant near the city of Hama. Sergei Bobylev/TASS (Photo by Sergei Bobylev\TASS via Getty Images)

Imagine a seguinte situação: você acorda de manhã, e sua mulher está gritando com você por causa da tempestade que cai lá fora. Ela odeia chuva, e agora o dia dela está arruinado por sua causa. Você desce para a cozinha e as crianças estão bravas com você porque a torradeira quebrou. Elas não conseguem achar o pão, e é tudo culpa sua. No caminho do trabalho, você para para abastecer o carro e é xingado pelos outros clientes do posto porque a gasolina aumentou. Você chega no escritório e seus colegas estão na sua mesa reclamando que a impressora parou de funcionar. Voltando para casa, todos os outros motoristas te olham feio porque estão cansados de tanto trânsito na hora do rush.

É um cenário ridículo, certo? Você consegue imaginar ser responsabilizado por coisas que estão completamente fora do seu controle? Consegue imaginar ter de pedir desculpas por esse tipo de coisa? Consegue imaginar ser odiado, mesmo pedindo desculpas? Pois é assim que se sentem os muçulmanos dos Estados Unidos.

Tenho orgulho de ser americano. Fui criado no Texas. Estudo na universidade. Sou humanitário. Quero ser médico. Quero revolucionar o acesso à saúde nos Estados Unidos e em regiões atingidas por guerras. Também sou m-u-ç-u-l-m-a-n-o, um dos 1,6 bilhão que são culpados toda vez que ocorre um ato de terrorismo. Como se não fôssemos nada além dessa palavra de nove letras, sequestrada por aqueles que usam nossa religião para justificar seus crimes odiosos.

Sou um americano que tenta sempre fazer tudo o que é possível para melhorar minha comunidade e meu país. Estou cansado de ter de me desculpar e de condenar o terrorismo, com o qual não tenho absolutamente nada a ver.

Eis cinco razões pelas quais os muçulmanos não deveriam ter de se desculpar pelo terrorismo:

1. É ridículo pedir que nos desculpemos.

Sou muçulmano praticante e sei que minha religião ensina a paz. Estou tão seguro deste fato que pago 10 000 dólares para quem for capaz de achar um verso do Corão que diga que é OK matar pessoas inocentes ou cometer atos de terrorismo. É uma oferta aberta e sem prazo para expirar.

Também sei que os muçulmanos, enquanto grupo religioso, não são terroristas. Já provei isso factualmente. Também provei factualmente que é mais provável que você morra atingido por um raio ou por um sofá do que assassinado por um muçulmano.

Dito isso, por que tenho de me desculpar por atos de violência com os quais não tenho nenhuma ligação? Por uma violência à qual minha religião se opõe tão fortemente?

Pergunte a si mesmo: as montadoras deveriam se desculpar quando um motorista bêbado mata pessoas? Você deveria pedir desculpas à polícia se seu irmão toma uma multa por excesso de velocidade só porque vocês têm o mesmo sobrenome? Será que todos os donos de armas deveriam se desculpar toda vez que alguém morre baleado? Os meteorologistas têm de pedir desculpas se o céu está nublado? Será que os farmacêuticos têm de pedir desculpas porque você tem alergia? Tenho de me desculpar pelos erros de digitação dos outros artigos?

A menos que você encontre aquele verso de 10 000 dólares ou encontre um muçulmano defendendo abertamente o terrorismo, por favor entenda que pedir para nós muçulmanos, individual ou coletivamente, que nos desculpemos pelo terrorismo seria tão ridículo quanto as perguntas acima.

2. A essa altura, deveria ser óbvio que os muçulmanos condenam o terrorismo.

A essa altura, deveria ser óbvio que os muçulmanos condenam o terrorismo. Basta fazer uma busca no Google para encontrar várias condenações públicas. Faça o teste. Por exemplo, aqui estão 40 exemplos de muçulmanos condenando o atentado contra o jornal satírico francês Charlie Hebdo. E aqui outro exemplo de muçulmanos do mundo todo condenando os ataques de Paris.

Os muçulmanos condenam o terrorismo desde sempre. É um fato. Assim como eu não deveria te dizer todas as manhãs que o céu é azul, os muçulmanos não deveriam te dizer que condenam o terrorismo toda vez que acontece um atentado terrorista.

Francamente, se você ainda não acredita que os muçulmanos condenam o terrorismo, não há desculpa ou condenação que vai curar seu ódio e sua intolerância.

3. Os muçulmanos estão na linha de frente do combate ao terror.

A única coisa mais ridícula que pedir que as pessoas se desculpem por algo que não fizeram é fazer as pessoas se desculparem por algo que elas combatem.

Os muçulmanos querem derrotar o terrorismo tanto quando qualquer outro americano, talvez ainda mais. É por isso que temos mulheres como Niloofar Rahmani e Kubra Khademi, que estão na linha de frente lutando contra os terroristas. É por isso que milhões de jovens muçulmanos estão desafiando o ISIS. É por isso que tantos grupos e estudiosos da nossa religião vêm a público condenar o ISIS - e muitos deles são decapitados por fazê-lo.

É por isso que mais de 120 acadêmicos muçulmanos do mundo inteiro se uniram para escrever uma carta aberta ao EI, denunciando o grupo como não-islâmico. É por isso que muçulmanos são assassinados pelo ISIS por se opor à perseguição de cristãos.

Pelo mesmo motivo que bombeiros não pedem desculpas por incêndios e médicos não pedem desculpas por doenças cardíacas, não se pode esperar que os muçulmanos se desculpem por algo que eles tentam derrotar.

4. Os muçulmanos são as maiores vítimas do terrorismo.

Segundo o Centro Anti-Terrorismo da Academia Militar dos Estados Unidos em West Point, a Al Qaeda mata sete vezes mais muçulmanos que não-muçulmanos. Segundo a ONU, os muçulmanos são as maiores vítimas do ISIS. Segundo o Departamento de Estado americano, os muçulmanos são as maiores vítimas do terrorismo em geral. A maior associação entre muçulmanos e terroristas é que os muçulmanos são as vítimas da violência sectária.

É uma triste ironia que os muçulmanos sejam as maiores vítimas do terrorismo e sejam odiados por causa da violência. Assim como seria errado culpar os negros pela escravidão, as crianças famintas pela fome no mundo, as crianças pelos ataques armados contra escolas, é errado culpar os muçulmanos pelo terrorismo, pois eles são sempre as vítimas.

Quer que eu ligue para o líder do ISIS e peça para ele parar de cometer atos de terrorismo? Me passe o contato dele; faço isso com prazer. Assim como qualquer muçulmano. Mas saiba que a conversa começaria comigo pedindo para ele parar de usar nossa religião para justificar o assassinato dos muçulmanos que realmente a praticam.

5. Se nós temos de nos desculpar pelo terrorismo, todo mundo tem de fazer o mesmo.

Este último ponto é especialmente importante. Por que os muçulmanos são o único grupo que deveria pedir desculpas e condenar as ações dos criminosos?

Para colocar as coisas em perspectiva, pergunte a sim mesmo: por que os homens brancos não têm de pedir desculpas pela escravidão que eles apoiaram dois séculos atrás? A escravidão na qual um terço dos escravos eram muçulmanos. Por que os budistas não têm de pedir desculpas pelos monges radicais de Myanmar que atacam muçulmanos? Por que os policiais não têm de se desculpar pelos policiais racistas que matam negros desarmados?

Você tem de entender que, assim como você, eu não tenho nada a ver com o terrorismo. Você tem de entender que, quando me pergunta se condeno o terror, você está questionando minha humanidade.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

- Conheça os grupos terroristas que mais matam no mundo

- 2015: O ano em que o mundo olhou NOVAMENTE para o terrorismo

Também no HuffPost Brasil:

Estes são os verdadeiros muçulmanos que oram em mesquitas