Racismo Brasil

Pixland via Getty Images

A solidão da mulher negra não é um disfarce. Ela é real

Seja por estereótipos ou falta de representatividade, a supersexualização da mulher negra é evidente. Daí também ainda ouvimos que mulher preta é mulher boa de cama, é mulher boa para uma foda. O que não pensamos é que mulher pode gostar de sexo, umas mais outras menos e isso independe da cor da pele. Porém, estamos tão acostumados com o perfil racista que nem nos damos conta de como continuamos reproduzindo isso.
br-photo via Getty Images

O dia em que minha consciência negra despertou

Hoje eu me declaro negro. A ficha caiu tarde, mas caiu. Nunca fui vítima de ataque ou tratamento racista que tenha me causado um grande trauma, talvez por conta dessa ficha caída tardiamente. Mas quando olho para trás, posso pontuar alguns episódios curiosos. O primeiro, quando fui seguido por um segurança em um shopping center, acho que na época do Ensino Fundamental. E os outros foram todas as vezes que, pequenininho, fui apresentado pelo meu pai, que é branco, aos amigos dele como o "caçula" ou "raspa do tacho", sempre com a ressalva sobre o tom da minha pele: "puxou a família da mãe", que é majoritariamente negra de pele escura.
wgmbh via Getty Images

Quando você diz que 'todas as vidas importam' você nega a existência do racismo

Queridas pessoas brancas como eu, vamos bater um papo honesto sobre o porquê de dizermos que "All Lives Matter" ("Todas as Vidas Têm Importância") quando falamos de racismo. Para começar, vale observar que ninguém dizia que "todas as vidas têm importância" até as pessoas começarem a dizer que "Black Lives Matter" ("Vidas Negras Têm Importância"). Portanto, "todas as vidas têm importância" é uma resposta a "vidas negras têm importância". Parece que alguma coisa na afirmação de que "vidas negras têm importância" nos incomoda. Por que será?
Divulgação/Anistia Internacional

O Brasil perdoa o racista e condena o negro

Aqueles que portam singelos produtos de limpeza na mochila, e são de pele negra, a cor que não é da camiseta vermelha que podemos ou não escolher usar, continuam pagando pelo erro de existir. Sejamos realistas e sinceros com nós mesmos, perdoamos racistas com a mesma facilidade que condenamos negros. É só por isso que Rafael Braga está preso, e Cláudio Botelho gozando da liberdade de sentir uma vítima. Parece piada, mas não é.
Reprodução facebook

Precisamos falar sobre racismo

Principalmente nas redes sociais, as pessoas acreditam poder falar aos quatro ventos suas opiniões mais racistas e desumanas possíveis. São 85,6 milhões de brasileiros na internet e expostos a demonstrações de preconceitos diários em todas as timelines.