Hillary Clinton

Joshua Roberts / Reuters

Um ranking das coisas que culpo pela derrota de Hillary Clinton

Ela não é tipo de pessoa que te dá vontade de levar para o bar para tomar uma cerveja. É porque, depois de uma verdadeira mudança de paradigma pop - de Lady Macbeth para Claire Underwood --, elas a veem como uma pessoa com sede de poder, disposta a fazer de tudo - até matar - para conseguir o que quer. É por isso que a resposta de 2016 para a maioria das perguntas relacionadas à eleição é "É a misoginia, estúpido!"
Agência Brasil/Fotos Públicas/GettyImages

O que Bolsonaro, Donald Trump e Kim Kardashian têm em comum?

São três personalidades completamente diferentes: um é um empresário egocêntrico cuja vaidade o levou a se candidatar à presidência dos Estados Unidos; o outro é um militar político abertamente homofóbico, preconceituoso e ignorante; e a terceira é a estrela de um reality show sobre a própria família onde nada de relevante acontece mas que ainda assim é visto por mais de 3 milhões de telespectadores toda semana. Então o que as trajetórias de três figuras aparentemente tão distintas têm em comum?
shutterstock

O 'efeito Trump' soube trazer à tona o eleitor americano que estava esquecido

Esta talvez seja a maior lição que podemos tirar desta eleição. Um movimento de rejeição aos políticos que se espalha por todos os cantos do planeta já é uma realidade. Aqueles que entendem este fluxo do eleitorado são os mais propensos a sobreviver neste novo momento. O eleitor cansou dos políticos, da parcialidade da imprensa e está disposto a aplicar sustos naqueles que continuam a enxergar a política por uma ótica antiga e ultrapassada. Partidos tornam-se movimentos. Seus líderes, os novos eleitos. A sociedade nunca clamou tanto por ser ouvida. Este é o maior ensinamento deste ciclo eleitoral.
Win McNamee via Getty Images

O que esperar do presidente Donald Trump?

Trump não segue um roteiro. É facilmente distraído e atraído por polêmicas sem sentido. E aí jaz uma esperança mais realista: que o presidente Trump se veja envolvido em tamanhas confusões, desde seu primeiro dia, que seu mandato passe sem qualquer outra marca significativa na história além de ter derrotado a primeira mulher candidata a Presidente.
Tashatuvango via Getty Images

Viver no Canadá é um privilégio, não um prêmio de consolação

Os americanos precisam saber que viver no Canadá não é um prêmio de consolação. Viver no Canadá é como ganhar na loteria cultural e geográfica. O Canadá é um país rico em diversidade, com abundância de recursos naturais e paisagens de tirar o fôlego. Um país cujas contribuições musicais incluem Neil Young, Joni Mitchell e Drake. Nós nos solidarizamos com nossos amigos americanos, mas abrimos nossas fronteiras a refugiados que realmente precisam disso, não a pessoas privilegiadas com um candidato republicano tenebroso.