OPINIÃO

As vozes mais influentes do mundo em 2015

07/12/2015 12:40 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

global thinkers

A edição de 2015 do Global Thought Leaders Index, uma análise de "inteligência coletiva" que mapeia a conversa global na internet e ranqueia as vozes mais influentes da rede, acaba de ser divulgada pelo The WorldPost e pelo Instituto Gottlieb Duttweiler, de Zurique.

Pela primeira vez, o índice anual mede não só a infosfera em inglês, mas também as infosferas em espanhol, chinês e alemão. Ao todo, ranqueamos as quase 400 pessoas mais mencionadas e discutidas online, que vão do primeiro colocado, o papa Francisco, ao escritor turco Orhan Pamuk (4º lugar), Edward Snowden (5º) e o violoncelista Yo-Yo Ma (9º). Outras vozes influentes incluem o ex-ministro das Finanças da Grécia Yanis Varoufakis (78º), o escritor chinês Mo Yan (83º), a blogueira cubana Yoani Sánchez (99º) e o escritor indiano Chetan Bhagat (136º).

Em espanhol, Fidel Castro e o escritor peruano Mario Vargas Llosa estão no topo da lista, com o poeta mexicano Homero Arijidis em 11º lugar, o condutor venezuelano Gustavo Dudamel em 13º e o diretor espanhol Pedro Almodóvar em 48º. Edward Snowden está na primeira posição da lista alemã, com os filósofos Jurgen Habermas em 53º e Peter Sloterdijk em 83º. O ranking "externo" da China reflete a lista global, pois aqueles que vivem em Hong Kong ou Taiwan usam quase exclusivamente a Wikipédia, o Twitter ou o Google. Mas o ranking "interno" da China, medido com maior precisão pelo Índice Baidu, coloca o presidente do país, Xi Jinping, e o presidente da empresa de comércio eletrônico Alibaba, Jack Ma, nas primeiras colocações, com o escritor japonês Haruki Murakami numa curiosa 8ª posição e o teórico do Partido Comunista Wang Huning na 10ª. O Baidu é o maior mecanismo de busca da China, semelhante ao Google.

mainmap

Gráfico mostra as vozes mais influentes de 2015. GDI/WorldPost 2015 Global Thought Leaders Index.

O mapa e o território

O mapa da conversa global é tão interessante quanto o território que ele cobre. O YouTube é de longe o gigante global no que diz respeito a plataformas que disseminam ideias. O Twitter tem um alcance muito mais amplo que a rede mais fechada de "amigos" do Facebook. O The WorldPost/Huffington Post, incluindo as 15 edições internacionais do HuffPost, também aparece como uma das principais plataformas para a circulação global de ideias, junto com o The New York Times e o The Guardian.

O The WorldPost, uma parceria de dois anos com o Berggruen Institute, serve como o portal global do HuffPost. O jornal espanhol El País é a maior plataforma no mundo que fala espanhol.

Eis os links para os resultados do The WorldPost/GDI 2015 Global Thought Leaders Index em inglês e alemão:

englishmap

Eis uma imagem da influência na blogosfera em inglês. GDI/WorldPost 2015 Global Thought Leaders Index.

Como a análise foi feita

As indicações das vozes mais influentes de 2015 foram feitas pelo conselho editorial do The World Post e seus editores contribuintes, pelos editores do El País, pelos editores da Univision/Fusion e do site de notícias baseado em Xangai Guancha. Os principais resultados do GDI de 2014 foram incluídos como base, e as indicações para a língua alemã foram revisadas por Alexander Gorlach, editor e fundador da revista The European, baseada em Berlim. Nos próximos anos serão incluídas outras línguas, começando pelo árabe.

Depois, as indicações foram processadas em uma análise de "inteligência coletiva" por Peter Gloor, do Massachusetts Institute of Technology, que as correlacionou com as respectivas menções - ou um indicador de "centralidade" (ser mencionado junto com e/ou sobre) - na Wikipédia, em tuítes e blogs (e seus equivalentes na China) para determinar o ranking de influência. A metodologia é explicada em mais detalhes no índice.

spanishmap

Eis uma imagem da influência na blogosfera em espanhol. GDI/WorldPost 2015 Global Thought Leaders Index.

Observações

Nas áreas de língua alemã e espanhola, uma camada de vozes globais comuns dominou o topo da lista, se sobrepondo ao ranking global da língua inglesa. As vozes não muito conhecidas além das fronteiras linguísticas se concentraram na parte inferior do ranking. Isso reflete o fluxo mais ou menos livre de ideias pela internet. Uma observação interessante é o uso esparso do Twitter na área alemã, aparentemente por motivos de privacidade.

A análise chinesa indica uma situação em que há "uma língua, duas infosferas". Os rankings em Hong Kong, Taiwan e entre os chineses que vivem no exterior indicam um padrão de influência semelhante ao da principal "camada global" das outras esferas linguísticas. Mas "dentro" da China, usando o Índice Baidu (que tem acesso a mais de 740 milhões de páginas), os rankings são muito diferentes, com poucas vozes não-chinesas. Como diz Zhen Wewei, ex-intérprete de Deng Xiaoping e colaborador do projeto:

"O mundo da internet chinesa já é um universo em si, dado o tamanho e a escala da população chinesa online e da indústria de tecnologia da informação do país. Em grande medida, ele está par e passo com o universo da internet em inglês. O Alibaba já é maior que o eBay e a Amazon juntos."

A política de "soberania de internet" da China, que inclui firewalls e censura, certamente molda os resultados de qualquer busca "dentro" do país.

Levando isso tudo em consideração, nossa análise das vozes chinesas mais influentes mostra como as diferentes metodologias de análise resultam em diferentes rankings.

baidu

O Baidu é o maior mecanismo de buscas da China, semelhante ao Google.

A internet como um "circuito global de pensamento"

O objetivo do WorldPost é estabelecer uma plataforma global para a polinização cruzada de ideias além das fronteiras, um lugar em que o mundo inteiro se encontre. A parceria com o prestigioso Instituto Gottlieb Duttweiler, de Zurique, para mapear as correntes e o território virtual da infosfera é um passo fundamental para fazer da internet um verdadeiro "circuito global de pensamento". A mensagem pode alcançar o meio, se nos esforçarmos para isso.

Este artigo foi originalmente publicado pelo The World Post e traduzido do inglês.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: