OPINIÃO

Uma das últimas obras de Nelson Rodrigues está em cartaz em São Paulo

04/02/2016 18:27 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

2016-02-03-1454464378-6839741-ANTINELSONFOTOSITETEATRO.jpg

Um rico herdeiro, mulherengo, cínico e mimado pela mãe, que é obcecada pelo rapaz, tenta seduzir - por poder e dinheiro - uma garota carioca, suburbana, religiosa e cheia de princípios. Esta é a trama de "Anti-Nelson Rodrigues", penúltima peça do autor de "Vestido de Noiva", que está em cartaz no Teatro Aliança Francesa, em São Paulo. Escrita em 1973, a história do cafajeste Oswaldinho é contada pelo Grupo Tapa pela segunda vez - a primeira versão é de 2013.

Com direção de Eduardo Tolentino de Araújo, a peça, apesar do nome, reúne as melhores características rodrigueanas: das relações levemente incestuosas entre mãe e filho ao baralhar de temporalidades. Nelson Rodrigues (1912-1980) debocha do romantismo com seu ceticismo clássico, perceptível em frases como "A pior forma de solidão é a companhia da minha mulher".

Quando escreveu sua versão "anti", Nelson Rodrigues estava cansado do teatro e, desde a metade da década de 1960, não escrevia nada novo. A tragicomédia nasceu com a intenção de seguir na direção contrária de tudo que caracterizava a sua dramaturgia, a começar pelo final aparentemente feliz - completado pelo Grupo Tapa com o melhor de Roberto Carlos na trilha sonora. No entanto, o autor não livra a obra de suas ironias basilares e nem das mais saborosas situações rodrigueanas. A sordidez humana, as frases de efeito, o erotismo familiar, a mediocridade da vida estão lá, sob seu olhar ácido para uma burguesia totalmente decadente.

Escrita por insistência da atriz Neila Tavares, a peça traz ainda referências a outras obras do autor. O pai de Joice, a jovem do subúrbio de Quintino cobicada por Oswaldinho, é Salim Simão ele próprio um "personagem de Nelson Rodrigues". Na versão do Tapa, destaque para Augusto Zacchi, como o filho malandro, e Eduardo Semerjian, na pele de Gastão, o pai desprezado e caricato.

"Anti-Nelson Rodrigues" segue em cartaz até o dia 14 de fevereiro. Não tão conhecida e citada como outros clássicos do autor, o avesso de Nelson, por não ser tão inverso, merece o olhar aguçado do público - e leitor.

Serviço

Até 14 de fevereiro

Elenco: Augusto Zacchi, Carol Cashie, Clara Carvalho, Cesar Baccan, Eduardo Semerjian, Oswaldo Mendes, Penha Pietra's

Horários: quintas, sextas e sábados, 20h30; e aos domingos, 19h

Duração: 90 min

Ingressos: R$ 50 (meia-entrada R$ 25)

Local: Rua General Jardim 182 - Vila Buarque

Informações: (11) 3017-5699

LEIA MAIS:

- Coleção de livros ensina política para crianças de 8 a 10 anos

- Vladimir Herzog 1975-2015: Ato interreligioso lembra os 40 anos da morte do jornalista

Também no HuffPost Brasil:

Os 11 livros mais polêmicos da história

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: