OPINIÃO

A arte do livro: Exposição recupera história de importante editora brasileira

Em tempos de produção digital, a mostra propõe o caminho inverso: uma aproximação da arte da prensa manual.

06/06/2017 13:39 -03 | Atualizado 06/06/2017 13:42 -03

Divulgação
'Ariano Suassuna - Ode, 1955'

Textos, fotografias, documentos, vídeos e livros recuperam a história da gráfica e editora experimental O Gráfico Amador, primeira a funcionar no Recife (PE), de 1954 a 1961. A mostra, em cartaz na Caixa Cultural São Paulo, oferece ao público um panorama da produção gráfica da editora, formada por um grupo de artistas e intelectuais que se tornaram um marco na história contemporânea da literatura e do design brasileiro.

O Gráfico Amador produziu cerca de 30 obras - 27 livros, três volantes, dois boletins e um programa de teatro. Os trabalhos da gráfica eram projetados e realizados por Aloísio Magalhães, Gastão de Holanda, José Laurênio de Melo e Orlando da Costa Ferreira. Nomes como os de Carlos Drummond de Andrade, Ariano Suassuna, João Cabral de Melo Neto também participaram das publicações.

A tiragem reduzida e o pequeno formato eram característicos da editora, que imprimia seus livros em uma prensa manual. Os textos das publicações recebiam um cuidadoso apuro tipográfico e as ilustrações eram realizadas em diversas técnicas de impressão como litografia, clichê de metal e xilogravura.

Em livro sobre a história da gráfica pernambucana, o professor e designer Guilherme Cunha Lima defende que o experimentalismo proposto pelo Gráfico Amador na área do design teve papel importante nas origens da moderna tipografia brasileira.

Como forma de aproximar o público da linguagem impressa dos anos 1950, a exposição monta também uma oficina permanente de tipografia no local, sob orientação do coletivo Oficina Tipográfica de São Paulo. Em tempos de produção digital, a mostra propõe o caminho inverso: uma aproximação da arte da prensa manual.

Serviço:

"O Gráfico Amador"

Local: Caixa Cultural São Paulo (Praça da Sé, 111 - Centro)

Horários: até 23 de julho de 2017 (terça-feira a domingo), das 9h às 19h

Entrada franca

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- 'Moonlight' deu uma lição sobre raça a Hollywood. Pode também ensinar sobre disciplina escolar?

- Taís Araújo manda brigadeiros para o 'Mais Você' e Namaria dá o troco

5 fatos que explicam a força e o poder de Yoko Ono no mundo das artes