OPINIÃO

A rua Selma. A rua da minha infância não é mais a mesma

26/02/2014 15:20 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02
Mauro Calliari

Outro dia, num final de tarde, caiu um enorme galho de árvore na rua onde moro, esmagando um carro e interrompendo o trânsito. À noite, levei os meninos para ver o trabalho da equipe da prefeitura que cortava e recolhia os pedaços enormes. Sem nenhum carro para atrapalhar, esnobamos a calçada estreita e andamos pelo meio da rua, encontrando naquela curta distância alguns vizinhos que nunca tínhamos visto antes e uma lua linda.

A rua sem carros me fez lembrar da rua Selma, no Campo Belo, bairro onde morei na infância. Ela era sem saída e tinha só um quarteirão, mas tinha todo tipo de gente e de casas, desde um quase barraco num grande terreno cheio de mato até a "casa do desembargador", que era muito imponente, apesar de eu não ter a menor ideia do que seja um desembargador até hoje. Alguém que desembarga?

Mas o importante é que, todas as tardes, tinha futebol. Sem ninguém combinar, o pessoal ia aparecendo: o PedrÃO, o SErgiÃO, o SilviÃO e o PaulINHO, que, apesar do diminutivo, era maior que os outros e foi o único a ter coragem de pular uma fogueira numa festa de São João. Havia outros, Felipe, Valdemar, Junior, meus irmãos... Meninas? Só me lembro de uma, a Selma, que, sim, foi quem deu o nome à rua, mas, não, não jogava futebol. Meninas não jogavam futebol naquela época.

O interessante é que esses meninos só se encontravam na rua, nunca nas casas. A rua era nosso quintal e era ali, numa instintiva separação entre o público e o privado, que acontecia o encontro. O jogo se dissolvia automaticamente com o primeiro grito de mãe, chamando para o banho, ou a lição, ou o jantar.

Nunca mais vi aquelas pessoas, mas me dou conta de que elas fazem parte da minha história e da história de uma cidade que ainda permitia jogo de futebol na rua.

2014-02-24-RUASELMA.JPG

Recentemente, dei um jeito de passar por lá duas vezes em caminhadas. Talvez buscasse encontrar alguém ou uma sensação do passado. Na primeira vez, encontrei uma cancela e a rua estava vazia. Na segunda, um portão e a rua continuava vazia. Tenho medo do que poderei encontrar da próxima.

Fotos: Arquivo Pessoal