OPINIÃO

Pelo fim da ditadura na Venezuela

Regime destruiu as liberdades civis, políticas e econômicas dos cidadãos venezuelanos.

19/07/2017 20:59 -03 | Atualizado 19/07/2017 20:59 -03
Handout . / Reuters
Nicolás Maduro está no comando do país desde 2013.

A Venezuela é uma ditadura e não é de hoje. O colapso econômico e o fracasso do regime não são nenhuma surpresa. Onde foi tentado, o socialismo produziu os mesmos resultados: ditadura, pobreza e morte.

O regime chavista teve a sorte de chegar ao poder um pouco antes do boom do petróleo, que fez o barril saltar da casa dos $30 na virada do século para um pico de $140 em 2008. E mesmo com a queda após a crise, o barril se manteve consistentemente acima dos $100.

Quando um país é tão dependente de um recurso como a Venezuela, a elevação tão significativa do preço desse recurso causa um impacto também significativo na sua economia. Pura coincidência e sorte.

É claro que, à época, o governo e os militantes faziam questão de dizer que o crescimento venezuelano se dava graças ao socialismo e às políticas de Chávez. Já a crise de agora é culpa dos Estados Unidos e do imperialismo.

O que de fato se deu graças a Chávez e ao socialismo foi a total destruição das liberdades civis, políticas e econômicas dos cidadãos venezuelanos.

Como nos outros regimes socialistas, os cidadãos passam fome, em meio a uma economia que recuou 11% no ano passado e com uma inflação que vai passar dos 1000% neste ano. Enquanto isso, membros do alto escalão do governo continuam vivendo bem à custa do povo.

Depois de 90 dias com 90 mortos em protestos contra o governo, um completo absurdo para quem se importa com direitos humanos básicos e com a dignidade humana, finalmente o regime fez uma pequena concessão: libertou Leopoldo López, um dos líderes da oposição, que havia sido preso de forma arbitrária pela ditadura de Maduro.

Nesse momento, Jorge Jraissati, um jovem venezuelano, se juntou com a organização estudantil Students for Liberty (Estudantes pela liberdade, em português) e está arrecadando fundos para a compra de comida e medicamentos básicos, aos quais venezuelanos praticamente não têm mais acesso.

Eu já doei. Ajude um povo a resistir enquanto dá fim a mais uma ditadura.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- Aqueles que depreciam a profissão de milhões de brasileiros é que não dão certo

- Rótulo de ultradireita oculta semelhanças entre Marine Le Pen e políticas brasileiras

Fome na Venezuela