OPINIÃO

Demissão no Google: É possível conciliar feminismo, liberdade e tolerância?

A gigante do Vale do Silício, os jornais e a opinião pública reprovaram o engenheiro James Damore por seu memorando "Câmara de Eco Ideológico".

11/08/2017 00:26 -03 | Atualizado 11/08/2017 00:26 -03
maislam via Getty Images
De acordo com o Google, o engenheiro "violou o Código de Conduta" da empresa por "promover estereótipos de gênero".
Eu valorizo a diversidade e a inclusão, não nego que existe sexismo e não apoio o uso de estereótipos. Quando falamos na diferença na representação da população, temos que olhar as diferenças nas distribuições. Se não podemos ter uma discussão honesta sobre isso, então nunca poderemos realmente resolver o problema.

Assim começa o memorando de dez páginas intitulado "Câmara de Eco Ideológico do Google", escrito por James Damore, até então, engenheiro de software da empresa. O memorando foi caracterizado como "anti-diversidade" por portais como G1/Globo, Exame, Fox News, CNN, BBC, e também HuffPost US.

Alguns foram mais longe e caracterizaram o memorando de Damore como "sexista" ou "discriminatório contra mulheres", como a Veja e a Gazeta do Povo. Uma das poucas exceções ao furor internacional foi a Folha de S.Paulo.

Já volto ao assunto, mas antes quero contar a história de Kara McCullough.

A jovem de 25 anos é negra, cientista e trabalha com energia nuclear. Não apenas isso, ela foi eleita Miss Estados Unidos em 2017. Kara com certeza dá orgulho a sua família e tem tudo para ser um exemplo para jovens garotas ao redor dos Estados Unidos e do mundo. Ao invés disso, Kara foi ferozmente atacada por respostas que deu a duas perguntas feitas pela organização do Miss USA 2017.

A primeira foi sobre a questão da reforma da saúde e tem pouca relevância aqui. Mas a segunda foi sobre o que achava do feminismo e se considerava a si mesma uma feminista. Ela respondeu que prefere transpor o conceito de feminismo, mas que se considera uma "igualitarista", no sentido de defender a igualdade entre homens e mulheres.

Além disso, disse que é testemunha do impacto que mulheres causam quando são líderes e que, como miss, trabalhará para promover esse tipo de liderança global para todas as mulheres ao redor do mundo. O resultado? Foi criticada por não se declarar feminista. Mesmo tendo uma opinião extremamente razoável sobre o assunto.

Note que em nenhum momento ela se posicionou contra o feminismo, ou o considerou algo ruim ou desnecessário. A miss apenas tentou não politizar seu título. Ela tentou ser a Miss América e não a "Miss feminista". Se posicionar contra ou a favor do feminismo são duas posições que, apesar de legítimas, tornariam excessivamente politizado algo que não é político: sua vitória no concurso de miss.

Por que tratar Kara como uma inimiga do feminismo e das mulheres?

Voltamos ao Google e ao memorando de James Damore.

Damore, mestre em biologia estrutural por Harvard, traz em suas dez páginas uma visão diferente sobre o porquê de não haver a mesma quantidade de mulheres e homens na Google (50%-50%), mas sim uma quantidade consideravelmente maior de homens (80%-20%).

Ele argumenta que existem diferenças biológicas entre homens e mulheres que influenciam nas escolhas e preferências dos indivíduos. E que, por isso, a estratégia para aumentar o número de mulheres da empresa não deveria ser apenas "forçar a barra" para ter mais mulheres.

Ele vai em frente e apresenta sugestões para aumentar o número de mulheres na empresa. Um exemplo é aumentar a programação em pares (dois programadores trabalhando juntos), dando mais oportunidades para aqueles que têm maior capacidade de cooperação, além de aumentar as vagas de trabalho de meio período.

Note que você pode perfeitamente concordar ou discordar da visão dele sobre haver diferenças biológicas entre homens e mulheres que afetam as escolhas individuais. E também concordar ou discordar das sugestões alternativas que ele deu para a questão.

Mas rotular o memorando que explicitamente reconhece haver menos mulheres no Google e oferece soluções alternativas como "anti-diversidade", "sexista", ou "contra mulheres" não é apenas um exagero, mas uma completa distorção do que James Damore escreveu. E demonstra que há um clima de intolerância quase inquisitório contra os que ousarem destoar, mesmo que um milímetro, da posição dominante.

Sobre a discussão legal, evidentemente um funcionário não tem direito à liberdade de expressão na empresa em que trabalha. Isto é, ele não tem direito de falar o que quiser, quando quiser. Mas o Google é uma empresa que se diz não só defensora, como fundamentada na liberdade de expressão e sua diretora de diversidade disse, se pronunciando sobre o caso, que a empresa deseja "uma cultura em que aqueles com pontos de vista alternativos, incluindo ideias políticas diferentes, se sintam seguros em dividir suas opiniões". Hipocrisia.

Google errou, por seus próprios critérios. Afinal, como demitir um funcionário por dar uma opinião diferente, ainda que de forma respeitosa e fundamentada, se enquadra na sua política? Novamente, o Google não precisa - legalmente - defender a liberdade de expressão na empresa. Mas se eles escolheram tê-la como fundamento, não podem demitir alguém por dar uma opinião polêmica e, ainda assim, continuar afirmando que prezam por pontos de vista alternativos.

O meio utilizado por Damore para se expressar (Google Docs) pode ser criticado e, devido à tamanha controvérsia, o Google poderia sim ter aberto uma investigação interna para apurar se o engenheiro havia sido "anti-diversidade". Afinal, existem leis anti-discriminação que precisam ser cumpridas.

Mas qualquer pessoa que ler o memorando desprovida da fúria da intolerância ideológica chega à conclusão de que ele não é anti-diversidade, mas pró-diversidade. E que ele traz argumentos sólidos e razoáveis, ainda que seja possível concordar ou discordar. Aliás, precisamos, cada vez mais, relembrar que é possível discordar das pessoas sem considerá-las pessoas ruins ou más.

Voltando à pergunta do título: é possível ser feminista e ao mesmo tempo a favor da tolerância e da liberdade de expressão? É claro! Por que não? Mas ser tolerante é, antes de tudo, tolerar opiniões de que você discorda e defender a liberdade justamente de quem você não gosta. Defender a liberdade e a tolerância com o que se gosta e concorda é fácil e todos já fazemos naturalmente.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- Ditadura na Venezuela acumula mortes, protestos violentos e crise econômica

- Aqueles que depreciam a profissão de milhões de brasileiros é que não dão certo

18 livros para entender mais sobre feminismo e direitos das mulheres