OPINIÃO

A diferença entre emoções e sentimentos

Muitas pessoas confundem os dois. Explico aqui como esse conhecimento pode ajudar a ganhar mais controle sobre nossa vida.

07/03/2017 11:06 -03 | Atualizado 07/03/2017 14:56 -03
Divulgação
Sentimentos e emoções são respostas em diferentes lugares no cérebro.

Qual a diferença entre emoções e sentimentos e por que essa diferença importa?

Muitas pessoas confundem emoção e sentimentos. Neste texto, quero explicar a diferença entre ambos e como este conhecimento pode ajudar a ganhar mais controle sobre nossa vida.

Emoções

As emoções são respostas de nível inferior que ocorrem nas regiões subcorticais do cérebro, da amígdala e dos córtices pré-frontais ventromediais, criando reações bioquímicas em seu corpo e alterando seu estado físico.

Paul Ekmann, um dos primeiros psicólogos a pesquisar as emoções e a linguagem corporal, reconheceu as emoções de tristeza, alegria, raiva, desprezo e nojo. O que elas têm em comum é que são reações diretas e rápidas à circunstâncias do ambiente e da vida.

Sentimentos

Já os sentimentos se encontram em outro lugar do cérebro, nas regiões neocorticais. Eles representam reações e associações às emoções e são influenciados por fatores como experiências pessoais, memórias e crenças. Os sentimentos seguem as emoções, envolvem processos cognitivos e ocorrem, muitas vezes, de forma subconsciente. Ou, nas palavras da neurocientista Dr. Sarah Mckay: "Emoções ocorrem no palco teatral do corpo. Sentimentos ocorrem no palco da mente."

Distinguindo conscientemente estes dois fenômenos e compreendendo as raízes e fatores que os influenciam, podemos criar um controle maior sobre nossa própria vida.

Obviamente, esse processo é muito difícil e somente com muito tempo, reflexões, questionamentos e tentativas, muitas vezes frustradas, conseguimos mudar nossas avaliações, pensamentos e reações.

Debby Hampton, autora do livro Sexo, suicídio e serotonina, conta neste contexto sobre seu casamento violento e sobre o complicado processo de divórcio que se seguiu.

Durante anos, Debby viveu com medo: todas as ações ou situações envolvendo seu violento ex-marido lhe causavam medo e grande angústia.

Mas, durante aqueles anos, ela começou a entender os porquês de seus sentimentos, as relações de causa e efeito e suas possíveis alternativas emocionais.

No espaço entre emoção, sentimento e ação, todos nós temos o poder de mudar e direcionar nossas vidas para melhor.

Ao compreender as emoções e gerenciar os sentimentos com o pensamento consciente, temos uma ferramenta poderosa para viver de forma mais livre.

Ouça aqui a versão deste artigo.

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública.

Livros para falar de emoções com crianças