OPINIÃO

Meu carnaval era divertido

05/03/2014 15:10 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02

Quando era menina, minha mãe costumava dizer que os bailes de carnaval na época dela, época em que ela era moça, eram bem melhores que aqueles em que eu ia. Ela dizia que as pessoas sabiam se divertir mais, as músicas de carnaval eram melhores - as marchinhas -, que todos eram muito ingênuos, que iam só pra se divertir, que o lança-perfume era somente para perfumar o salão. As mulheres iam fantasiadas, uma fantasia mais linda que a outra, inclusive ela, sempre muito bem arrumada. Gostava tanto de carnaval que uma vez ganhou como melhor foliã. Isto a enchia de orgulho.

Na verdade, nada tinha mudado. O que tinha mudado era a idade dela, ela estava envelhecendo e me falou sobre o carnaval de antigamente com grande saudosismo. Deixou de ter graça para ela, nada mais era igual, as diversões eram outras, mas ela era a ingênua de achar que o carnaval em seu tempo era só brincar no salão ou ver os blocos na rua. Para alguns sim, para outros já existia o álcool e outras drogas.

Adorava carnaval, não perdia uma noite, brincava no salão, na rua, na matinê, e estava sempre sóbria, apesar do lança-perfume, do álcool e outras drogas. Eu nunca gostei. Gostava mesmo era de dançar. Samba, marchinhas em grupo ou sozinha. Nunca ganhei como melhor foliã, não tinha o fôlego de minha mãe.

Hoje sou eu! Para mim perdeu a graça.

Há dois anos deixei de ir brincar o carnaval no salão, de ir à rua ver os blocos, de ver os desfiles de escola de samba. Ainda tem a noite da marchinha, as mulheres de fantasias, os que não param de dançar, tem também o samba, o axé, o pagode, o funk e até os sertanejos no carnaval. Mas meu fôlego não é mais o mesmo, e isso tem a ver com a idade: ela chegou.

Quando estamos envelhecendo o divertimento dos jovens não tem graça para nós. A diversão não mudou. A diversão continua a mesma. Os jovens se divertem porque são jovens. Para quem gosta de carnaval, tanto faz a música que está tocando, o que estão bebendo ou a companhia que estão. Eles querem é se divertir.

A saudade vem, e que vontade de voltar no tempo. Mas tenho que entender que o meu tempo passou e as coisas mudam. O que me divertia antes hoje não me diverte mais, e o passado passou. Temos que viver o presente.

Tenho que me encaixar na minha nova condição, não de velha, mas de envelhecente (nem nova, nem velha, mas quase lá). Tenho que ir atrás de diversão, porém ainda não me achei nesta transição, ainda não sei com que me divertir.

Espero encontrar a minha diversão. Não o que me fará feliz, mas o que irá me divertir. Assim como era divertido o meu carnaval.