profile image

Marco Morosini

Cientista sênior na Swiss Federal Institute of Technology

Cientista Senior em Pesquisa sobre a Sustentabilidade junto ao Swiss Federal Institute of Tecnology (ETH) em Zurique. Foi professor convidado junto à ETH Zurique e às Universidades de Lugano, Pavia, Siena, Pisa e Ancona. É jornalista e autor de livros, filmes e espetáculos teatrais.
Divulgação

O sol no meio: Voo histórico do Solar Impulse ao redor do mundo

"Este é um momento histórico para a humanidade." falou o Secretário das Nações Unidas Ban Ki-Moon ao Bertrand Piccard durante uma videoconferência com alcance global, poucas horas antes do pouso do avião Solar Impulse em Abu Dhabi (Julho 26, 00:05 UTC). "Este pouso é o início do que virá a seguir" respondeu Piccard. Esta aeronave única completou a 40.000 km viagem ao redor do mundo propelido apenas pela energia do sol. A fuselagem do Solar Impulse tem também a bandeira da União Europeia e o Presidente do Parlamento Europeu Martin Schulz prometeu no 14 de julho, em videoconferência com Piccard, o compromisso da União Europea para acelerar a transição energética.
29/07/2016 13:03 BRT
Divulgação

O avião Solar Impulse atravessou o Pacífico sem uma gota de combustível

Segundo o mito, Icarus foi muito perto do sol, que dissolveu o tom de suas asas de penas e o fez cair no mar. Um nome audacioso para o desafio de Solar Impulse poderia ser "Icarus 2.0". Ou talvez "Icarus feliz", uma versão solar da famosa frase de Albert Camus: "A luta para a cimeira é suficiente para encher o coração de um homem. É preciso imaginar Sísifo feliz."
03/05/2016 19:08 BRT
ASSOCIATED PRESS

Os próximos refugiados do clima

O drama dos refugiados requer três ações indispensáveis: socorro, educação dos europeus para conhecer as causas próximas e distantes das migrações forçadas e, por fim, o abandono de condutas de cidadãos e de governos dos países ricos que contribuem para gerar as migrações.
07/04/2016 17:02 BRT
almcalabria/Flickr

'Culpado, mas não punível': a lição dos crimes ligados ao amianto

A nossa cultura invoca descobertas científicas que se tornem rapidamente novos produtos e lucros. Quando, porém, novas descobertas científicas de riscos e danos antes desconhecidos requerem restrições ou proibições urgentes, podem passar décadas antes de uma reação significativa. No caso do amianto, este atraso negligente causou e continua causando milhões de mortes que poderiam ser facilmente evitadas.
04/03/2015 11:09 BRT