OPINIÃO

Nós, mulheres, e nossas unhas

03/11/2014 13:41 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02
PeopleImages.com via Getty Images

Nós, mulheres, padecemos de alguns males diferentes dos outros seres humanos. Ir à manicure regularmente é um deles. Pra mim, pelo menos, sempre foi um suplício ficar de mãos estendidas por, no mínimo, meia hora para sair de lá com as pontas dos dedos pintadas e brilhantes. Agora pelo menos, em alguns casos, estamos livres da obrigação de marcar esse horário na agenda, porque há lugares em que é possível ser atendida sem marcar.

Mas aí... você não sabe se a manicure é boa ou ruim, rápida ou lenta, faladora ou calada, gente boa ou um porre, atenciosa ou não. Prefiro manicures rápidas, sempre. Fora isso, boa para mim é aquela que não me corta nem de levinho. Mas há algumas que são excepcionais: excepcionalmente boas ou excepcionalmente rápidas. Conheço a Neia, a quem chamo de "a melhor manicure do mundo": rápida e perfeita, ela faz pé e mão em exatos 60 minutos. Pena que, me dividindo entre duas cidades, meus caminhos e horários não têm cruzado mais com os dela.

De tanto odiar a função, passo o tempo driblando o tédio, mesmo depois de escolher - quando posso - as manicures rápidas. Pra começar, costumo desligar os ouvidos, pois odeio papo de salão. Quando não quero ou não consigo aproveitar o tempo com meus próprios pensamentos, leio Caras. A sensação de ler Caras no salão é dúbia: enquanto olho as fotos, vasculho as idades dos personagens e analiso os vestidos, parece entretenimento. Mas quando fecho a revista e a moça ainda está lá terminando a unha, o gosto é de comida estragada. Mas aí, já comi.

Ultimamente tenho preferido estabelecer um momentâneo relacionamento com a profissional que me trata. Como, pela ojeriza de marcar hora para o suplício, não sou fiel a nenhum estabelecimento, meço a temperatura da sessão pelos seus primeiros movimentos e utilizo o papo com manicures desconhecidas como forma subliminar de evitar os bifes. Funciona, mas na vida não se pode ter tudo. Normalmente, quando a manicure é rápida ou boa, chego em casa com o esmalte cheio de bolinhas. Ou ela é tão profissional, que não me dá a mínima atenção.

Mas hoje, precisando fazer pé e mão em cima da hora para um compromisso amanhã, me preparei para o que quer que fosse. Eis que encontro uma profissional dedicada; ela mesma de unhas grandes, lixadas e limpas. Uma raridade. Salão vazio, vejo ao longe o suporte de revistas, penso em pedir uma. Ato seguinte, desisto e já estou conversando com a Ju. Suas mãos são bonitas e tratadas; e o manuseio do alicate, preciso. Sorte!

Minha pergunta inicial é sempre a mesma: você trabalha há muito tempo aqui? Não. A Ju faz unhas em domicílio de segunda a quarta, mas antes trabalhava num restaurante a quilo. Ju capricha no tratamento, sinto que minhas cutículas estão delicadamente indo embora. Com a voz calma ela começa a me contar porque saiu do restaurante; eu me interesso e sigo perguntando. O restaurante, um dos mais antigos da cidade, não é um primor de higiene, pelo contrário. A cidade é pequena, ela me diz o nome. Eu caio pra trás: todo mundo vai, todo mundo conhece.

Eis o relato: Me colocaram para fazer a salada. Eu era nova na casa. Um dia eu estava lá lavando a alface, chega outra funcionária e pergunta o que eu estou fazendo. Lavando, digo. Mas não é pra lavar, não. Como? Tomate, nada é lavado. Os pratos até são esterilizados, mas o restaurante não tem nenhuma higiene. "Mas se a comida não é, o que adianta?", pergunto. Pior são os ratos. Ratos? Têm muitos; eles botam veneno à noite e no dia seguinte tiram o rato morto da cozinha. Penso que a moça não sabe que está falando com uma jornalista. E a Vigilância Sanitária? "Parece que eles compram", ela me diz. A conversa tem outras revelações cabeludas, mas acho melhor não contar aqui.

O tempo passa e, quando olho no relógio foi-se quase uma hora. Simplesmente abomino gastar mais de meia hora fazendo as mãos, mas desta vez me rendi. Como o Rei Shariar, em "As Mil e Uma Noites", "entretive-me com a história e não vi a passagem do tempo". Não percebi que a Ju era ótima, mas lenta para os meus padrões de impaciência. Pensando melhor, eu é que dei linha na pipa, já que o meu pé ela fez rapidinho. E bem. Mas não é que eu estou em casa com o esmalte da mão cheio de bolinhas? Ju, me aguarde, vou voltar.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

TAMBÉM NO BRASIL POST:

Produtos ridículos para mulheres "finas"