OPINIÃO

Sim. Quem venceu na Câmara dos Deputados foi a democracia

19/04/2016 16:12 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
ANDRESSA ANHOLETE via Getty Images
Brazilian congressmen show signs against (R) and supporting (L) Brazilian President Dilma Rousseff during the Chamber of Deputies session in Brasília on March 17, 2016. Brazil's lower house of Congress launched a committee Thursday to consider impeaching President Dilma Rousseff over accusations she manipulated the government's accounts to boost public spending during her 2014 re-election campaign. AFP PHOTO/ANDRESSA ANHOLETE / AFP / Andressa Anholete (Photo credit should read ANDRESSA ANHOLETE/AFP/Getty Images)

2016-04-19-1461053806-4873756-dilmaerros.jpg

Presidente Dilma, a senhora precisa mudar seu discurso.

'Golpe', corruptela de 'golpe de estado', é quando um governo é derrubado de maneira ilegal.

Como pode ser 'golpe' um processo votado por mais de 2/3 dos parlamentares da Câmara dos Deputados, os ´representantes do povo´, em rito aprovado pelo Supremo Tribunal Federal que, de seus onze ministros, oito foram escolhidos e empossados pela senhora ou pelo seu companheiro Lula...?

A senhora argumenta que 'pedaladas fiscais' não são motivos para pedir o seu impeachment, mas são sim, de acordo com o artigo 36 da Lei de Responsabilidade Fiscal sancionada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em maio de 2000 (finalmente um verdadeiro motivo para a senhora por a culpa no FHC...).

Pedalada fiscal é fraude, senhora presidente.

Seu governo tomou dinheiro emprestado dos bancos públicos para mostrar publicamente que estava cumprindo a meta fiscal e para aumentar artificialmente os números do superávit primário, dando a impressão que a economia e administração pública gozavam de boa saúde.

Só que na verdade, segundo o Tribunal de Contas da União, a senhora escondeu um rombo de 40 bilhões de reais entre os anos de 2012 e 2014. E isso porque ainda não saíram os dados de 2015.

Ou seja, a senhora maquiou os números oficiais das finanças do governo em um ano eleitoral para dar a impressão que tudo estava bem. Passada a eleição, os brasileiros conheceram o verdadeiro estado de nossa economia.

A verdade é que a 'Nova Matriz Econômica' adotada pela senhora e seu ex-ministro Mantega arruinaram a economia brasileira, e esse sim, foi o maior motivo para os deputados terem aprovado o seu processo de impeachment.

Impeachment nada mais é que uma decisão política. Tanto que os seus amigos petistas fizeram nada menos que 40 (!) pedidos de impeachment de FHC enquanto ele era presidente.

Segundo o filósofo Thomas Hobbes, política "consiste nos meios adequados à obtenção de qualquer vantagem". Já o também filósofo Conde Bertrand Russell definiu política como "o conjunto dos meios que permitem alcançar os efeitos desejados".

Ou seja, política nada mais é que um jogo de interesses. Um bom político é o que melhor domina a arte da negociação.

Sabemos que para governar o Brasil um presidente tem que fazer diversos acordos com os parlamentares para que esses aprovem suas leis e sua administração.

Quem assistiu à votação do impeachment pela TV pode observar bem o nível dos parlamentares que estão na câmara nos representando e fazendo as leis desse país. O pior é saber que eles foram eleitos pelo povo.

Mas a senhora é a presidente que pagava caro por gente barata. Por demonstrar ser péssima negociadora, teve que criar a maior quantidade de ministérios da história brasileira só para acomodar mais gente exigida pelos partidos que pertenciam a sua base aliada.

E, pior que saber que a economia está mal, é saber que as previsões da política adotada pela senhora apontam para levar o Brasil para um buraco mais fundo, segundo a maioria dos economistas, e a senhora se recusar de mudar o rumo!

A isso, somamos o fato que a senhora, presidente, nunca se preocupou em ser simpática: pelo contrário, sempre se mostrou mandona e arrogante. Quando improvisa seus discursos viram piadas na rede assim que a senhora acaba de falar.

De nada adianta agora a senhora fazer um discurso tristonha se dizendo 'injustiçada', 'vítima de um golpe de estado' e que não há 'acusações de enriquecimento ilícito' pessoal.

Presidente Dilma, não é essa a acusação que recai sobre a senhora. A senhora cometeu um crime de responsabilidade fiscal e como suas decisões levaram o Brasil à bancarrota, perdeu o apoio do parlamento. Simples assim.

Faz parte do jogo político, Collor também deu às costas ao parlamento e deu no que deu.

Como a senhora pretende governar se não consegue o apoio nem de 1/3 da câmara...?

A senhora argumentar que teve '54 milhões de votos' não diz muita coisa, já que seu vice também teve.

Segundo a última pesquisa do DataFolha, o número de brasileiros favoráveis ao afastamento da presidente chegou a 68% em março passado, o que é mais um argumento para derrubar a tal tese de 'golpe na democracia'.

Afinal, se Democracia é a forma de governo em que a soberania é exercida pelo povo e a vontade da maioria do povo é pela destituição da presidente do cargo, como isso pode ser um 'golpe na democracia'?

Deputados votam conforme seus interesses e, felizmente, uma parte deles está associada à vontade de seus eleitores.

Se a economia estivesse uma maravilha, com pleno emprego, juros baixos e os eleitores consumindo felizes, pouco provável que os deputados votassem para tirá-la do governo.

Mas do jeito que a senhora, presidente Dilma, quebrou o país, nos colocando em uma enorme recessão sem perspectivas de saída, com cada vez mais empresas fechando as portas e demitindo, somente fanáticos para defender sua permanência no governo.

Se há um lado bom nisso tudo, presidente, é saber que pelo menos nossas instituições democráticas estão funcionando perfeitamente e que temos liberdade para nos expressarmos como quisermos.

Até para a senhora discordar desse texto.

LEIA MAIS:

- O orgasmo múltiplo masculino é possível, sim

- Pelo direito de escolha

Também no HuffPost Brasil:

Impeachment na Imprensa Internacional