OPINIÃO

As mulheres suecas estão usando 'spray bronzeador' para ficar com a pele negra

12/04/2016 11:42 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Acreditem se quiser. Uma empresa sueca criou uma solução de bronzeamento artificial chamado "chocolate amargo" que dá a possibilidade das pessoas de pele brancas possivelmente com "crise de identidade" ficarem com o tom de pele semelhante ao de pessoas negras.

2016-03-31-1459454329-7592410-blacktanthumb.jpg

A "novidade" saiu direto do salão de beleza Emmaatan, dirigido pela esteticista Emma Patissier Alm, baseado em Estocolmo. Eles são especializados em bronzeamento artificial e agora oferecem serviços de bronzeamento em tons classificados como "incrivelmente escuro", com nomes como "Violet Onyx", "Dark Ash Onyx", "Caramelo" e "Chocolate escuro."


Mas, como assim?

2016-03-31-1459456168-6393617-tumblr_n5vlv1bGX01tu7965o1_500.gif

Pois é, isso é real.

E o mais intrigante é que os cincos tons mais escuros esgotaram.

O povo sueco, normalmente com tom de pele que varia de branca a pálida, agora está correndo atras de ficar "artificialmente negros." Alguns tem chamado o produto de "blackface full".



Gå in och beställ på www.emmaatan.com 🌴

A photo posted by •www.emmaatan.com• (@emmaatan_) on


A população negra sempre foi desprezada pela cor de sua pele. Agora a apropriação não se limita mais aos cabelos afros, as cirurgias plásticas para engrossar os lábios e ficarem com os quadris parecidos com o das mulheres negras: agora é possível também se apropriar da pele negra. O que dá continuidade a um pensamento extremamente racista.

2016-03-31-1459454911-5943352-19725827aEVoi.png

O Instagram da Emma Patissier Alm, dona do salão e que originalmente compartilhou algumas das imagens acima, foi definido como privado após ela ser acusada de racismo. Mas isso não impediu uma enxurrada de comentários, piadas, e indignação sobre o sobre o assunto.

O que você acha?

Fonte: http://madamenoire.com/

LEIA MAIS:

- Ensaio expõe a obsessão pelas características das mulheres negras

- Sobre a fragmentação da memória na infância

Também no HuffPost Brasil:

O que estudantes negros da UnB já ouviram?