OPINIÃO

Responda nas urnas ao Fundão: não reeleja ninguém

Com a alta rejeição sofrida por PT, PMDB e PSDB, as bancadas dos velhos partidos na mira da Lava Jato entraram em consenso para salvar a própria pele.

10/10/2017 12:50 -03 | Atualizado 10/10/2017 12:50 -03
AFP/Getty Images
O atual Congresso foge da pauta da liberalização econômica: ninguém quer cortar a própria mamata.

A elite política mostra resistência ao povo brasileiro. Com a aprovação do Fundão, que repassa verba pública bilionária para financiar campanhas eleitorais, as figuras sujas que circulam pelo Congresso Nacional pretendem atropelar a indignação popular e deixar tudo como está.

Com a alta rejeição sofrida por PT, PMDB e PSDB, as bancadas dos velhos partidos na mira da Lava Jato entraram em consenso para salvar a própria pele: tomar mais dinheiro da população e tentar forçá-la a engolir corruptos vendidos por propagandas sem fim que ela mesma está sendo forçada a bancar.

É um atestado da falência moral e eleitoral dos caciques partidários. Por trás da pompa, sabem que não têm mais como iludir o povo senão apelando para medidas drásticas que o mais desatento cidadão pode identificar com sinal de profundo desespero diante da opinião pública.

Se os políticos pretendem usar seus partidos para se protegerem de críticas e os cofres públicos para se perpetuarem no poder, cabe ao eleitor brasileiro dar um fim no circo e promover uma grande renovação dos representantes eleitos em 2018.

O Brasil não tem motivo para poupar criminosos dispostos ao diabo para manterem seu foro privilegiado. É hora de retirar tais sujeitos das cadeiras parlamentares e colocá-los no banco dos réus da justiça comum.

A Lava Jato vem mostrando que basicamente toda a liderança política está envolvida em esquemas criminosos e negociatas obscenas. Tal roubalheira general indica que precisamos também de uma limpeza geral, bem como uma revisão do imenso poder que conferimos aos que se utilizam da máquina estatal.

Afinal, o grande incentivo para gente da pior espécie ambicionar os altos andares da República não é o próprio poder e riqueza que eles prometem? As estatais hoje nas mãos do governo beneficiam alguém fora os figurões que as utilizam para encher seus próprios bolsos? Passou da hora do povo exigir uma redução da burocracia estatal e a privatização destas empresas. Devolvamos à sociedade civil a riqueza que é dela por direito.

É mero bom senso recomendar que políticos tenham menos controle sobre nossas vidas e, em geral, sobre a economia nacional. Por isso mesmo que o atual Congresso foge da pauta da liberalização econômica: ninguém quer cortar a própria mamata. Se limitam a cogitar um punhado de estatais, enrolam por meses, e ainda fingem não saber que dezenas delas ainda estão ai causando rombos nos cofres públicos e emperrando o crescimento do país.

Afinal, para que falar disso? Quanto mais longe da atenção do público, melhor funcionam os petrolões no assalto ao nosso bolso.

Uma elite política viciada em tomar dinheiro do povo não tem conserto. Deve ser demitida e, de preferência, presa.

O aumento do Fundo Partidário foi um tapa na cara dos brasileiros que desejam vencer a corrupção e construir um país melhor. Cabe a nós fazermos a mobilização para dar a merecida resposta nas urnas. Pode até ter Fundão, mas os velhos políticos ficarão sem reeleição.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

Os Fichas Sujas do Congresso Brasileiro