OPINIÃO

O valor da opinião política de um atleta

03/11/2014 16:34 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02
Aécio Neves - Senador/Flickr
O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, fez caminhada, neste sábado (27/09), em Osasco e Carapicuíba, na região metropolitana de São Paulo. Aécio conversou com eleitores ao lado de Aloysio Nunes, vice na chapa da Coligação Muda Brasil, do governador de São Paulo e candidato à reeleição, Geraldo Alckmin, e do ex-jogador de futebol Ronaldo. Aécio Neves durante caminhada em Carapicuíba (SP) . Foto: Marcos Fernandes

Em uma das mais disputadas corridas eleitorais para a presidência do Brasil, Dilma Rousseff (PT) foi reeleita com 51% dos votos válidos contra 49% de Aécio Neves (PSDB). As eleições acabaram, mas a discussão não. As redes sociais se inundaram de opiniões e, atletas e ex-atletas foram à público para declarar seus votos. Mas será que atletas devem expressar publicamente sua opção política?

Ronaldo Nazário, Nalbert Bitencourt, Nelsinho Piquet e Sheila Castro foram alguns dos atletas e ex-atletas que usaram as redes sociais para expressar sua opinião sobre o resultado das eleições. Com milhares de seguidores em suas plataformas online, os atletas acabaram sendo alvo de críticas ou elogios - refletindo a acirrada disputa presidencial entre Dilma e Aécio.

A rivalidade Dilma-Aécio foi a personificação da bipolaridade partidária que o Brasil possui desde 1995. O PSDB governou o país de 1995 à 2002 e o PT vêm governando o país desde 2003, isso tudo no cenário de um país que elegeu por voto direto seu primeiro presidente em 1989. As críticas de alguns atletas e ex-atletas ao atual governo colocam em questão se atualmente existe a possibilidade de um atleta se tornar (e se manter) atleta profissional, sem qualquer tipo de suporte do governo.

Porém, mesmo considerando que sempre há de forma indireta ou direta apoio do governo, isso significa que os atletas e ex-atletas não podem criticá-lo?

Claro que não. A crítica, o diálogo e o debate fazem parte da nossa democracia. Atletas ou ex-atletas são cidadãos como todos nós. Sendo assim, podem expressar publicamente as suas opiniões até os limites que ferem a dignidade de um outro cidadão. Mas atletas ou ex-atletas não devem ser modelos sociais?

A criação de mitos e heróis no esporte muitas vezes faz com que atletas se tornem "super humanos". Isso implica em pessoas acreditarem que atletas vencedores devem ser "usados" somente como exemplos positivos para a sociedade. A desmistificação de atletas passa pelo entendimento de que os mesmos podem dar "exemplos" bons ou ruins. Além disso, emitir opinião muitas vezes reflete uma atitude positiva, mesmo que aja um confronto de idéias.

O estereótipo de que atletas são apenas "físico" é tão ridículo quanto inculcar nos "nordestinos" o estereótipo de "vagabundos". Assim, se queremos que o debate virtual-político em torno da eleições presidenciais não ocorra somente a cada quatro anos, devemos estimular a discussão em todos os níveis da sociedade brasileira.

As redes sociais atualmente podem ser vistas como um campo simbólico de disputas de idéias, onde o que antes era expressado entre círculos privados, agora está se tornando cada vez mais público.

Para que esse "campo de idéias" torne-se uma verdadeira plataforma para mudança social - contribuindo para o esclarecimento da população - os seus grandes "personagens", como os atletas e ex-atletas, devem expressar suas opiniões, porém sem esquecer de respeitar a opinião alheia.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para saber mais rápido ainda, clique aqui.


VEJA TAMBÉM NO BRASIL POST:

Famosos apoiam presidenciáveis