OPINIÃO

Sujeira pra todo lado

01/06/2016 18:50 -03 | Atualizado 01/06/2016 18:50 -03
Ricardo Moraes / Reuters
The debris of the municipal school of Bento Rodrigues district, which was covered with mud after a dam owned by Vale SA and BHP Billiton Ltd burst, is pictured in Mariana, Brazil, November 10, 2015. The first Eliene Almeida, head teacher at the municipal school in Bento Rodrigues, knew of the deadly mud flow that destroyed her village was a cry from her husband. Most villagers were running for higher ground after hearing a dam at the local Samarco mine had burst, but no one inside the packed school was aware that a 20 meter-(65-foot)- high wall of mud and water was approaching. Almeida's husband raced to the school and sounded the warning. "He came in shouting that we had to run," Almeida, 31, told Reuters at a hotel housing the village's survivors. Frantically, she rounded up the children, aged mainly between 11 and 16. "Within three minutes everyone was out." The flood killed at least four people and on Monday -- four days after the disaster struck -- 25 people were still missing. But Almeida's 58 students all survived. REUTERS/Ricardo Moraes

Cresci ouvindo que sou livre.

Naquela época sonhava em navegar pelos mares, ir à Lua e até mesmo em ser piloto de corrida. Nada era impossível. O céu era apenas o começo. Imaginava dragões, sentia o cheiro das emoções nos livros e viajava nos meus próprios mares.

Hoje tenho vinte anos e a realidade é como um balde de água fria. Agora as preocupações mudaram e os sonhos também. Ouvir um discurso e transformá-lo em imaginação, ficção, não é o que acontece. A realidade dói, fere a alma, o peito e o ser.

O governo golpista que estamos sendo obrigados a engolir está nos deixando cegos e surdos. As viseiras nunca estiveram tão claras, isso para não falar do ódio escancarado nas capas de revista.

Retirar mulheres e negros dos ministérios não soa como um enorme retrocesso? Bem, para os 22 homens de Temer, isso parece normal. Sem falar sobre os índios que já estão em pequeno número e não têm representatividade. Parece que a corda arrebentou para o lado mais fraco na nossa frágil democracia - mais uma vez.

O bombardeio aos nossos direitos vieram majoritariamente após o dia 12. A questão agora é: será que nos fechamos tanto a ponto de não enxergar o que está à nossa frente? Até que ponto a quantidade de informação não seria capaz de bloquear nossa visão tanto quanto a falta dela? Quantidade é muito diferente de qualidade. Atualmente apenas 12 famílias tomam conta da comunicação em todo o país.

Vejam bem, estamos vivendo no oligopólio das informações.

Sobre outras janelas

2016-05-18-1463586060-638631-pedro.2.jpg

Interior de casa em Bento Rodrigues Foto: Pedro Menegheti

No dia 27 de abril, a Proposta de Ementa Constitucional n° 65/2012 foi aprovada no Senado. Essa PEC autoriza a realização de obras sem necessidade de licenciamento ambiental. Será preciso apenas de um Estudo de Impacto Ambiental feito pelo empreendedor e, depois disso, nenhuma obra poderá ser cancelada ou parada. Resumindo, os próprios empreendedores averiguarão se a obra é ou não viável, sem qualquer fiscalização governamental.

Já vimos casos que, mesmo com a licença, tudo deu errado. O mais recente foi Mariana, em Minas Gerais que destruiu todo o distrito de Bento Rodrigues e até hoje não temos muitas informações sobre o que aconteceu ou sobre o que poderia acontecer com as outras barragens que estão próximas, isso porque já tem seis meses da tragédia e por ser o maior desastre ambiental do país.

Seis meses sem respostas, ainda com desaparecidos e agora com uma proposta que permitirá isso mais vezes.

LEIA MAIS:

- O maior erro é romantizar os crimes de estupro

- Machismo detectado

Também no HuffPost Brasil:

A coragem dos bombeiros em Mariana