OPINIÃO

O maior erro é romantizar os crimes de estupro

27/05/2016 13:46 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02
Divulgação/TVGlobo

A manhã de ontem começou pesada para uma jovem carioca.

A menina, de apenas 16 anos, foi estuprada coletivamente por cerca de trinta homens na Zona Oeste do Rio e teve sua intimidade exposta na internet com piadas misóginas, sexistas e machistas.

Nada é capaz de justificar o ato a não ser a crueldade, o sangue frio desses "homens".

A jovem estava dopada enquanto seu corpo e sua identidade eram violados, enquanto seu sangue corria pelas pernas. Ainda não se sabe muito sobre o caso, só temos a certeza de que o trauma e o medo que essa menina passou, passa e passará é inigualável.

Estamos com você, irmã.

Sinto muito por não podermos mudar o que te aconteceu, por não conseguir criar um obstáculo para cada um deles não conseguir chegar até você. Somos muitas, pode ter certeza que daqui eles não passarão.

Ontem conheci um homem que, ao falar sobre o caso de Ana Hickmann, se referiu ao atirador como "apaixonado". O maior erro é romantizarmos os crimes, não há nada romântico nisso!

Há alguns anos, lembro de acompanhar o sequestro de Eloá pela televisão, como um verdadeiro show de horrores.

Ouvi pessoas dizendo que aquilo era amor, que o namorado não sabia viver sem ela, como se aquilo tudo fosse justificável.

Não justifica tirar a vida de alguém ou invadir o espaço de outro ser em nome de falsos sentimentos, até mesmo porque isso seria a ideia de posse. Não somos objetos para ter donos, somos pessoas.

Amor é algo genuíno, o que esses homens fizeram é crime.

LEIA MAIS:

- Por que o feminismo é tão necessário

- Sobre amores que se vão

Também no HuffPost Brasil:

Opiniões chocantes sobre estupro