OPINIÃO

O desabafo de mais um sobre a crise no Brasil

13/02/2015 15:29 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02
brjonathansantos/Flickr
Rua no bairro da Brasilândia, na periferia da cidade de São Paulo.

Todos os dias, eu ando a pé pelas ruas da periferia de Poá, extremo leste de SP.

As ruas são movimentadas, gente pra lá e pra cá, tem todo tipo de pessoa por aqui, é incrível e ao mesmo tempo estranho. Tem os que saem de madrugada e chegam só a noite, tem os que saem a tarde e chegam na madrugada, tem os que saem de manhã e chegam a tarde, tem quem acorda meio dia e passa a tarde e noite toda na rua, tem branco, mas tem mais negro.

Aqui tem alegria, mas tem mais tristeza, aqui tem gente realizando mas tem mais gente deprimida, aqui é difícil sonhar. A dor é mais presente do que o alívio, e a doença mais presente do que a saúde. As oportunidades surgem distantes daqui e na maioria das vezes quem está aqui, nem fica sabendo que elas existem, a informação demora pra chegar, o abondando é mais presente.

Eu olho pro cenário atual do nosso governo, essa crise esmagadora no país, vejo que a situação não vai melhorar como a gente espera ansiosamente ano após ano, e não preciso ser um especialista em economia pra saber disso.

Para algumas pessoas, eu sou mais um protestando em favor dos pobres e isso dói, dói por que fomos abandonados pelos líderes políticos deste país, fomos esquecidos!

Poderia trazer dados aqui, de qual é a maioria dos que morrem assassinados, de qual é a maioria dos que ocupam postos de trabalho nas condições mais deploráveis que um ser humano possa estar, mas os dados se repetem ao longo do anos e nunca muda.

Nasci negro, pobre e na periferia, sei do que estou falando. Nosso povo compra geladeira, televisão e fogão novos, em diversas prestações e dizem que por causa disso as condições econômicas do brasileiro está melhor, mas na verdade o brasileiro está sempre endividado e sendo esmagado pelos impostos.

Não! Não está nada bom por aqui, essa suposta melhora é uma maquiagem muito mal feita. Por aqui, o encontro de sarau é feito no funeral da sala e os poemas são lágrimas.

Tudo para nós é extremamente mais difícil e nem todos resistem. Eu vi muitos morrerem, eu vejo tantos que se perdem, também vejo o descaso e a indiferença, a falta de amor e a falta de verdade de quem está no poder. Eu queria falar de coisas mais alegres também, mas hoje meu coração está partido e eu não consigo me calar, não dá para fechar os olhos pra realidade, e por aqui a realidade é essa!