OPINIÃO

OMS lança guia para reduzir mortes maternas e de bebês

05/12/2015 14:35 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:38 -02

2015-12-04-1449269400-3760905-OMS1.jpg

Novo guia vai ajudar a reduzir as mortes maternas e infantis. Foto: OMS/Opas

A Organização Mundial da Saúde, OMS, lançou nesta sexta-feira (4) um novo guia para os trabalhadores do setor com o seguinte objetivo: ajudar a reduzir as mortes evitáveis de mães e bebês.

O documento tem como foco as principais causas de óbito, que são: hemorragia pós-parto, infecção, parto obstruído, pré-eclâmpsia e asfixia ao nascer.

A agência da ONU afirma que "a maioria das mortes maternas e infantis acontece, geralmente, no momento do parto ou nas primeiras 24 horas depois do nascimento"

Segundo a OMS, mais de 130 milhões de nascimentos são registrados todos os anos no mundo. Calcula-se que as mortes maternas cheguem a 303 mil.

Os dados mostram que o número de natimortos, bebês que nascem mortos, é de 2,6 milhões. Outros 2,7 milhões de recém-nascidos morrem durante os primeiros 28 dias de vida.

A OMS explica que esses óbitos ocorrem em regiões pobres, de baixos recursos e sem assistência médica especializada.

Causas Evitáveis

A diretora-geral assistente da agência para Sistemas de Saúde e Inovação, Marie-Paul Kieny, disse que "muitas mulheres e crianças ainda estão morrendo durante o parto de causas que podem ser evitadas, geralmente ligadas à baixa qualidade de assistência".

Segundo ela, o guia vai ajudar os trabalhadores de saúde a seguirem os padrões essenciais de cuidados para cada parto".

O documento foi lançado inicialmente como um projeto piloto em nove países da África e da Ásia.

Estratégia Global

Em setembro, a comunidade internacional concordou com os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODS, que incluem metas para reduzir as mortes maternas e infantis no mundo.

Para avançar com essa agenda, a OMS e organizações parceiras lançaram também a nova Estratégia Global para a Saúde de Mulheres, Crianças e Adolescentes 2016-2030.

O documento serve como um mapa para que os países avaliem investimentos e ações necessários que possam pôr um fim às mortes e melhorar a saúde e o bem-estar do grupo.

Acompanhe outras notícias da Rádio ONU . Siga também a Rádio ONU nas redes sociais.

MAIS SOBRE MATERNIDADE E SAÚDE NO HUFFPOST BRASIL:

1:4 Retratos da Violência Obstétrica

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: