OPINIÃO

Direita, o inimigo imaginário de Jandira Feghali

10/02/2016 13:32 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Emmanuel Faure via Getty Images
Crossed hammer and sickle painted on wall, close-up

Jandira Feghali (RJ), líder do PCdoB na Câmara e gestora de restaurantes falidos nas horas vagas, escreveu um artigo dizendo que "A Direita passou a temer as urnas". A afirmação é bastante interessante. Mostra uma contradição no discurso da deputada, que, com frequência, fala sobre uma "direita golpista". Ora, se essa tal direita teme as urnas, é porque disputa dentro das regras do jogo democrático.

Lembro que a querida deputada, que deve ter medo de que o Tio Sam puxe seu pé durante a noite, já acusou o MBL de possuir "financiamento internacional". Coloquei as receitas e despesas do movimento à disposição para que ela fizesse uma auditoria e provasse o que disse. Em contrapartida, eu poderia ter acesso às contas do PCdoB. Ela não topou. Talvez não queira se dar ao trabalho de quebrar o porquinho do MBL.

Segundo Jandira, o tal pavor surgiu na direita "desde que os resultados não se mostraram mais favoráveis para si". Considerando que o que ela chama de "direita" são os liberais e os conservadores, os resultados nunca foram favoráveis. O PT venceu as últimas quatro eleições para o Executivo federal. O PSDB, que, apesar da histeria ideológica de partidos como PSOL, PSTU e PCdoB, é de centro-esquerda, venceu as duas eleições pré-PT.

A deputada comunista fala sobre uma "caçada fora da lei" contra Lula. Mais uma vez, ataca um inimigo imaginário. O que há de ilegal em investigar imóveis que são, no mínimo, suspeitos? Lula visita um sítio 111 vezes, sua mulher compra um barco para a propriedade, que recebe uma reforma que pode ter sido custeada por empreiteira envolvida no Petrolão e o ex-presidente diz que esse sítio não é dele. É óbvio que há motivo para investigação.

A deputada diz que Lula "teve coragem para enfrentar de frente a pobreza no Brasil.". Ainda bem. Se enfrentando "de frente" Lula fez a porcaria que fez, imagine se o tivesse enfrentado de costas. A verdade é que tudo o que o ex-presidente fez pelos mais pobres foi enganá-los. Incentivando o consumo e aumentando os gastos públicos para impedir que a crise internacional de 2008 atingisse o seu governo, Lula fez com que a desgraça chegasse com muito mais força, como vemos agora.

Hoje, quem mais sofre com a crise é a população mais pobre. Apesar de, proporcionalmente, pagar mais impostos do que o resto da sociedade, ocupa menos de 9% das vagas das universidades públicas. Além disso, é vítima do sistema público de saúde, hoje mais caótico do que nunca. O nível de miséria, tão combatido nas propagandas petistas, voltou a subir.

No final, o que houve foi um governo para os ricos que fazia propaganda para os pobres. No lugar do tripé macroeconômico, o tripé da canalhice petista: bancos, empreiteiras e gasto público.

Jandira dedica todo um parágrafo só para reproduzir a velha desculpa petista: "Ah, mas e as acusações contra o PSDB?". Mais uma vez, a deputada faz um contorcionismo ideológico para criar um inimigo imaginário. Primeiro, fala sobre uma tal "direita", depois, sobre o que chama de "conservadores" e, por fim, acusa o PSDB. O PSDB não é nem conservador nem de direita. Ainda que fosse, a justificativa utilizada por Jandira é absurda. Ela, como linha auxiliar do PT, partilha da mentalidade doentia do partido. Para eles, se outro partido rouba, significa que todos são inocentes. Em vez de provar a própria inocência, mostra-se que o outro também é corrupto.

A deputada termina seu texto sem citar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, inimigo político número um do PT. Achei curioso, para dizer o mínimo. Em março do ano passado, Cunha atendeu a um pedido de Jandira e trocou o relator do parecer do projeto de equiparação salarial dos salários da DPU com os da PGR. Talvez não valha a pena bater em quem já lhe deu uma mãozinha, né, Jandira?

Por fim, a deputada dá seu diagnóstico:

"As urnas de 2018 virão e conservadores se preparam para elas com a única arma que tem: a farsa, violações do Estado democrático de Direito, apoio às manifestações fascistas e de desqualificação da política."

Concordo. Apenas trocaria "conservadores" por "petistas e seus aliados". Afinal, todo o texto de Jandira, assim como toda propaganda petista, baseou-se em farsas. O Mensalão e o Petrolão mostraram que o PT não tem pudores em violar o Estado democrático de Direito. E o apoio do governo e de seus aliados a manifestações de criminosos que vestem camisas negras, escondem o rosto e promovem a violência gratuita mostra bem qual é o seu alinhamento ideológico.

Quando somos crianças, é normal termos amigos imaginários. Acreditamos que eles existem, conversamos e até brincamos com eles. São fruto de uma imaginação saudável. Quando se é um comunista rancoroso, tem-se inimigos imaginários. São fruto de uma mente doentia. É claro que se tem clareza de que eles não existem. Mas xingá-los histericamente dá voto. E Jandira sabe muito bem disso.

LEIA MAIS:

- O certo, o justo e o Duvivier

- Nada mais pode parar o impeachment

Também no HuffPost Brasil:

Protestos pró-impeachment

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: