OPINIÃO

Por um carnaval (e uma vida) livre de mão boba

01/03/2014 12:28 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02

No Carnaval, caia na farra, mas não caia na ideia de que se pode tudo. Ainda mais quando esse "tudo" inclui diversas formas de violência contra a mulher. Pela internet, já surgiram diversos alertas e campanhas contra o assédio sexual durante a festa -- entre elas, uma da revista masculina VIP (!), para onde pude escrever um texto sobre a Chega de Fiu Fiu. Veja abaixo:

Revista VIP

Não seja escroto neste carnaval

2014-02-28-carnaval5.png

"No carnaval, pode tudo" é uma frase que deveria dar arrepios em qualquer um. A festa, por vezes, mascara a violência sexual que muitas mulheres sofrem durante a celebração do feriado. Puxões, encoxadas, beijos forçados, mão boba, um tapinha que "não dói"... Quem nunca ouviu falar dessas histórias?

Governo da Paraíba

Não mascare a violência contra as mulheres

2014-02-28-carnaval3.jpg

No Carnaval não pode tudo. Por isso lançamos a campanha "Não mascare a violência contra as mulheres". Se você presenciar ou sofrer esse tipo de violência, denuncie.

Página do Facebook Acontece Comigo

No Carnaval, a fantasia é minha. O corpo é meu

2014-02-28-carnaval4.jpg

O espaço divulga vídeos sobre violência contra a mulher e depoimentos de vítimas de assédio como o acima.

Como resultado dessa cultura machista e opressora, o carnaval para as mulheres acaba sendo, muitas vezes, justamente o contrário da liberdade. Vítimas de diversas violações e atrocidades, se sentem acuadas. O cenário carnavalesco se transforma em espetáculo de opressão.

Um dia ainda viro cartunista

Carnaval: alegria, orgia e bacanal com consentimento, por favor.

2014-02-28-carnaval2.jpg

A página da cartunista Didi Helene divulgou ilustração em apoio à campanha do Acontece Comigo.

"Você quer?", "Posso?" e "Sim, eu quero" não custa nada. #ficaadica sempre (não só pro carnaval!).

Marcha das Vadias (Recife)

Quero brincar como quiser!

2014-02-28-carnaval1.jpg

A página do movimento está publicando diversas imagens contestando a violência sexual e o estereótipo hiper sensualizado da brasileira (não é mesmo, Adidas?)