OPINIÃO

100 cientistas poderiam estar a bordo do voo MH17 para a conferência de aids

18/07/2014 15:30 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02
Reprodução/The Guardian

Segundo a Conferência Aids 2014, 100 cientistas poderiam estar a bordo do voo MH17. O jornal The Guardian está acompanhando ao vivo. Abaixo, algumas das notícias.

Atualizado à 1:35

Há relatos não confirmados de que alguns passageiros do vôo MH17, da Malaysia Airlines, derrubado na Ucrânia, eram cientistas renomados no caminho para Melbourne, na Austrália, para a conferência internacional Aids 2014.

Atualizado à 1:40

A ministra australiano das Relações Exteriores, Julie Bishop, confirmou que há pelo menos 27 australianos que estavam entre os 298 passageiros mortos. Ela disse que alguns passageiros estavam indo para um voo de conexão para a Austrália, incluindo uma conexão para Perth. Acredita-se que a viagem era para a conferência internacional Aids 2014, em Melbourne. Bishop pediu uma investigação internacional completa e independente sobre o acidente. "Esta é uma tragédia terrível. Nós não sabemos a causa, mas há especulações de que o avião foi abatido. Se for esse o caso, é um crime abominável." Comentando sobre a especulação de que os separatistas pegaram a caixa-preta, Bishop disse: "Independentemente das circunstâncias, pedimos aos separatistas que cooperem com a investigação sobre este acidente e devolvam a caixa-preta às autoridades imediatamente." O governo australiano está a convocando reuniões de segurança nacional e buscando acesso ao local do acidente para seu corpo consular em Varsóvia.

Atualizado à 01:43

A International Aids Society (IAS) divulgou um comunicado, confirmando que alguns dos passageiros estavam a caminho da Conferência Internacional de Aids, em Melbourne.: "A International Aids Society expressa a sua sincera tristeza ao receber a notícia de que vários colegas e amigos que estavam a caminho para participar da 20ª Conferência Internacional de Aids que acontece em Melbourne, na Austrália, estavam a bordo do voo Malaysian Airlines MH17, que caiu sobre a Ucrânia hoje cedo. Neste momento tão triste, a IAS está ao lado de nossa família internacional e envia condolências aos familiares daqueles que foram perdidos nesta tragédia."

Atualizado às 2:08

Colegas das pessoas que estavam no voo e no seu caminho para a conferência em Melbourne estão expressando suas condolências nas mídias sociais. Estamos esperando para listar os indivíduos, até que as informações sejam oficialmente confirmadas.

Atualizado às 03:12

Owen Ryan, diretor da conferência Aids marcada para começar em Melbourne, acaba de falar com a imprensa e disse que não pode confirmar relatos de mortes de seus colegas nesta fase, mas, se é verdade, o mundo perdeu "gigantes". Ryan não quis dizer se a conferência ainda vai acontecer, mas disse à imprensa que iria entregar mais notícias à medida que as receber. Embora os nomes de quatro ou cinco pessoas ligadas à conferência tenham sido compartilhados em mídias sociais como vítimas do acidente, há outros relatos não confirmados de que até 100 dos passageiros estavam a caminho de Melbourne.

Atualizado às 03:47

Delegados da conferência Aids 2014 estão em Canberra, na Austrália, em um evento organizado no National Press Club. A professora Françoise Barré-Sinoussi abriu seu discurso com uma declaração chorosa sobre os relatos de que um número de delegados estariam a bordo do avião. Ela disse que, se for confirmado que os seus colegas estavam a bordo, ela está devastada. "Neste momento, nossos pensamentos estão com suas famílias. Será uma grande perda para a comunidade de HIV/aids. Eu tive o privilégio de trabalhar perto deles. Se for confirmado, será uma perda terrível para todos nós. Eu não tenho nenhuma palavra realmente para tentar expressar a minha tristeza, sinto-me totalmente devastada se isso for confirmado." Barré-Sinoussi recebeu o Prêmio Nobel de 2008 em Medicina por seu papel na descoberta do HIV e é a presidente da International Aids Society e co-presidente internacional da conferência Aids 2014.

Atualizado às 4:50

A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou que o seu funcionário Glenn Thomas está entre os mortos. De origem britânica, Thomas que estava baseado em Genebra, cuidava das relações públicas da OMS e estava indo para Melbourne para a conferência Aids 2014. Parentes mais próximo foram informados. Um porta-voz da OMS disse: "Estamos à espera de confirmação se havia outros da Organização Mundial de Saúde no vôo, uma vez que estávamos enviando uma enorme delegação à conferência. Até agora, Glenn é o único que confirmamos."

Continue acompanhando as notícias ao vivo pelo The Guardian.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.