OPINIÃO

Troca de guarda no MEC

14/02/2014 11:43 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:26 -02

As primeiras mudanças de guarda do MEC comprovam a reputação de bom administrador do ministro Henrique Paim.

Transição não é hora para fazer marola. O ministro limitou-se a remanejar algumas pessoas de sua confiança para os cargos que fazem a máquina girar. A única inovação foi a nomeação do professor Chico Soares para o INEP. Trata-se de profissional competente e respeitado e que chega ao MEC em hora oportuna para ampliar a transparência das informações e inaugurar um novo patamar no nível de debate sobre as questões de avaliação no país.

O desafio para o ministro Paim não é trivial. Ele é conhecido da Presidente Dilma como o homem que conhece todos os dados do MEC. Isso pode cair bem para um secretário executivo. De um ministro, o país espera que ele mude esses números.

Numa transição no meio de uma Copa do Mundo e de eleições, o que se pode esperar é que ele comece a desmontar tudo que vem contribuindo para os péssimos resultados da educação e a criar espaços fora do controle corporativista para considerar ideias que funcionam. Há muito a desfazer e sempre há espaço para algumas coisas que uma pessoa competente como ele poderá fazer bem.