OPINIÃO

O que o seu filho aprende quando você está grudado no celular?

19/03/2014 13:21 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02

Artigo publicado recentemente pela conceituada revista Pediatrics apresenta os resultados devastadores de uma pesquisa realizada em restaurantes de fast-food nos Estados Unidos: o celular está contribuindo para aumentar a distância entre pais e filhos.

Os resultados são fáceis de adivinhar: mais tempo no celular, menos tempo de interação com os filhos. Quem digita ou lê na telinha então se conecta em outro mundo. Nos 15 de 55 grupos familiares observados que não usavam celulares, as interações entre pais e filhos eram muito mais frequentes.

A pediatra norte-americana Peri Klass, que já esteve no Brasil a convite do Instituto Alfa e Beto, em artigo publicado na edição de 11 de março do jornal americano New York Times comenta o estudo e aponta para a necessidade de interação: quando havia só a televisão, uma hora de televisão ligada representava 500 a 1000 palavras a menos faladas pelos adultos. Ou seja, filhos com vocabulário, gramática e laços afetivos mais esgarçados.

As crianças - mesmo as viciadas nos novos eletrônicos - continuam reclamando como sempre da falta de atenção dos pais. Eles aprendem que o celular é seu novo rival - e reclamam adoidado. Celulares estão aí para ficar, como aconteceu com a TV, o computador e tantos outros. Mas eles não conseguem fazer o que só pais podem fazer, que é interagir, olhar no olho, ler junto e engajar-se em conversas interessantes com as crianças.