OPINIÃO

'How to Talk to Girls at Parties' leva punk para o Festival de Cannes

Adaptação de conto homônimo do Neil Gaiman dividiu a crítica.

24/05/2017 18:20 -03 | Atualizado 24/05/2017 18:24 -03
Eric Gaillard / Reuters
Elenco de 'How to talk to girls at parties' se reúne durante cerimônia de exibição do filme no Festival de Cannes.

Como Falar com Garotas em Festas, adaptação livre de John Cameron Mitchell do conto homônimo de Neil Gaiman, foi o destaque da seleção Hors Compétition do Festival de Cannes neste domingo (21).

Elenco e equipe estavam a caráter, com o figurino criado para o filme por Sandy Powell - de Carol e Wonderstruck. As atrizes Nicole Kidman, que tem dois filmes e uma série na programação, usa Rodarte e Elle Fanning, Gucci.

A première começou em clima festivo e terminou com aplausos generosos. Com 1h42 de duração, e estreia prevista para o segundo semestre deste ano, o filme é fiel às regras da história original e faz o que o cinema deveria sempre fazer com a literatura: preencher as lacunas com o que tem de melhor, imagens em movimento.

A crítica tem se dividido entre resenhas elogiosas e críticas duras, mas a reação do público - mix entre jornalistas, profissionais da indústria, atores e cinéfilos - foi de aprovação. A jornalista ao meu lado cochilou no meio da sessão - por instantes apenas, pois a vida lá é dura, dormimos uma média de 3 horas por noite. Foi acordada pela colega do outro lado. Ao fim da projeção, foi agradecer: nossa, esse filme é muito bom.

Divulgação 2017 / How To Talk To Girls at Parties

A história começa como o conto,e depois se torna algo mais. Enn e Vic são dois adolescentes que adoram punk. O primeiro é tímido, o segundo leva jeito com garotas, e é assim que entram numa suposta after-party, recebidos pela Stella da atriz Marina Bye - como na descrição de Gaiman no livro, a mais bonita das Stellas e de todas as alienígenas humanoídes.

Vic e Stella sobem para o quarto e Enn passeia pela festa, conversando com muitas "garotas", até encontrar Zan, a personagem de Elle Fanning.

(Alerta: Spoilers!).

Elle está maravilhosa - como sempre aliás - no papel da alienígena que deve romper o ciclo meio bizarro de perpetuação da sua espécie. Ela protagoniza um dos melhores momentos, quando pergunta a Enn o que é punk, como pode ser visto neste teaser.

A continuação mistura dois adolescentes se apaixonando, com cenas adoravelmente estranhas, e o cenário do punk dos anos 1970 com a Rainha Bodicea - personagem de Nicole Kidman, que não me agradou pessoalmente - e sua trupe.

O Enn de Alex Sharp - totalmente cativante no papel - lembra Neil Gaiman. Sempre vestido de preto, ocasionalmente com uma jaqueta de couro. Na sequência final, aparece em uma livraria para autografar sua obra recém-lançada. No vidro da porta de entrada, há um adesivo da série de Sandman, que os fãs certamente irão aprovar.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- 'The Square': O filme sem clímax e com timing perfeito que brilhou no Festival de Cannes

- Festival de Cannes: Russo 'Nelyubov' e alemão 'Western' brilham no segundo dia

Nirvana: punk às pessoas