OPINIÃO

Terra reclamada: Conheça os países invisíveis do mundo

07/04/2016 17:56 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:35 -02
Steve Allen via Getty Images
Hillside monument to Kemal Ataturk (1881-1938) in The Turkish Republic of Northern Cyprus. As the first president of the Turkish republic, he abolished the caliphate and introduced other policies designed to make Turkey a modern secular state.

Imagine que você viva em um país com língua, cultura, moeda, governo e defesa próprios. A terra pertence há séculos ao seu povo, que cultiva hábitos completamente diferentes das nações vizinhas. O único problema é: o seu país não é reconhecido como um país de verdade.

Por mais estranho que possa parecer, a situação é comum no mundo, sobretudo nas ex-repúblicas soviéticas e na África. Lá ficam o que o Direito Nacional chama de Estados de facto, um país com desejos separatistas que recebe o apoio popular e é capaz capaz de prestar serviços governamentais para uma determinada população em uma área territorial sobre a qual mantém o controle há um tempo prolongado.

Os Estados de facto fazem parte, portanto, de uma nação maior que se recusa a perder a soberania sobre seu território. Desde 1933, um documento assinado em Montevidéu, no Uruguai, impede que estas regiões sejam reconhecidas como países pelos membros da Organização das Nações Unidas (ONU). A Convenção de Montevidéu estabelece regras claras para que um povo reclame seu território enquanto nação, como uma população permanente, um governo, a capacidade de se relacionar com outros estados e, o mais importante de todos, possuir um território não-reclamado.

O vídeo abaixo do canal TestTube News explica, de forma bem didática, os quatro aspectos do documento usando como exemplo a nação de Liberland, um microestado entre Sérvia e Croácia que se declarou independente de forma unilateral no ano passado. (O vídeo (ainda) não recebeu legendas em português, mas você pode selecionar para traduzir automaticamente as disponíveis em inglês);

O mapa interativo abaixo mostra quais são os Estados de facto atualmente e o porquê de ainda disputarem o reconhecimento internacional e ganharem o direito de existir. Tratam-se, muitas vezes, de conflitos seculares que vamos explorar com mais calma por aqui ao longo do tempo.

Você deve ter percebido que Abecásia, Nagorno-Karabakh e República Turca do Chipre do Norte são ilustradas com vídeos-relato. Trata-se de um projeto fantástico realizado pelo Guilherme Canever, que edita o "Saí Por Aí". Em 2014, o Guilherme fez um projeto de visitar regiões que permanecem no limbo diplomático e deu origem a uma série de posts ricos em detalhes sobre. Um livro sobre essa experiência deve ser publicado em breve, mas você pode conferir parte deste relato aqui.

LEIA MAIS:

- Precisamos falar sobre Karabakh

- Dois anos depois, a crise na Ucrânia está LONGE de ter um fim