OPINIÃO

Meu marido e eu não transamos desde 2008. E estamos muito felizes assim

13/05/2015 16:31 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02
Juan Paulo Gutierrez

Quando Clare e seu marido se conheceram, eles tinham uma vida sexual maravilhosa. Hoje eles não fazem amor há anos, mas não poderiam estar mais satisfeitos com seu casamento sem sexo. Clare conversou com Mandy Appleyard, do High50.

É engraçado lembrar do início de meu relacionamento com John e perceber como o sexo era importante para nós dois naquela época. É difícil imaginar que aqueles dois éramos nós.

John e eu nos conhecemos no trabalho, e a atração imediata entre nós foi física. Eu sempre dizia, brincando, que notei a bunda linda dele em seu jeans Levis 501 antes mesmo de observar seu rosto. Nos primeiros dez anos que passamos juntos, nossa vida sexual era ativa e aventurosa. O sexo era a "cola" que nos mantinha unidos.

Hoje, 18 anos depois de me casar com John, fico feliz por poder dizer que nosso casamento é uma união forte e feliz. É claro que houve alguns tropeços no caminho (a depressão pós-parto que sofri depois do nascimento de nosso filho Alex, 17 anos atrás, o momento em que John foi demitido, aos 48 anos, e mergulhou fundo na crise da meia-idade). Mas, passando por cima disso tudo, continuamos a ser um casal amoroso e engajado.

Casamento sem sexo

Mas não temos relações sexuais desde o início de 2008. Vivemos em Yorkshire, na Inglaterra, e dormimos juntos todas as noites em nossa cama king-size. Curtimos beijos, abraços, carinhos e uma relação de muito afeto físico e táctil, mas John e eu não fazemos amor há mais de sete anos.

Então qual é o problema? Como eu lido com a tristeza de saber que, aos 53 anos, o sexo já é coisa do passado em minha vida? Que meu marido não sente mais tesão por mim?

A verdade é que eu não poderia estar mais feliz com nossa situação, e a mesma coisa se aplica a John. Não me sinto rejeitada, porque minha libido e a dele se enfraqueceram.

Hoje em dia o sexo não faz parte de nosso amor. Ele não faz mais parte de nosso relacionamento, e não há problema algum nisso, porque nós dois encaramos isso da mesma maneira.

É como se tivéssemos transcendido o sexo. Eu me preocuparia se nossa relação não fosse terna e amorosa de outras maneiras. Mas John e eu mostramos nossos sentimentos abertamente um ao outro, e sempre fomos assim.

Eu deixei de curtir sexo quando me aproximava da menopausa, algo que não é muito incomum. As relações sexuais ficaram incômodas e, com o tempo, indesejáveis.

Contei a John como eu me sentia, e ele disse que entendia. Ele tinha acabado de ser demitido de seu emprego de engenheiro e estava refletindo muito sobre a vida. Acho que o sexo não era uma de suas preocupações maiores naquele momento, de qualquer maneira.

Pensei que minha libido voltaria depois da menopausa, mas isso não aconteceu. "E se nunca voltar?", perguntei a John na cama certa noite.

"Não há nada com que se preocupar", ele respondeu. "Temos 50 e poucos anos, somos saudáveis, estamos em boa forma e ainda estamos super apaixonados. Não vejo razão para ficarmos nos preocupando com sexo, se nenhum de nós dois está muito afim de fazer."

Uma fase nova no relacionamento

A resposta dele foi lógica e tranquilizadora. Nosso casamento estaria em maus lençóis se um de nós ainda tivesse vontade de transar loucamente todas as noites, mas, por sorte, nós dois parecíamos satisfeitos em iniciar uma fase diferente de nossa relação.

Pode parecer fácil demais dizer isto, mas a verdade é que sempre me senti segura no casamento com John. Temos muita sorte porque sempre conseguimos discutir abertamente e tranquilamente qualquer coisa que nos preocupe, e temos interesses em comum.

Quando nos conhecemos, fazíamos amor até o amanhecer. Hoje, preferimos calçar nossas botas e fazer caminhadas longas no campo, indo almoçar num pub depois, ou então embarcar num voo para Paris ou Budapeste para passar o fim de semana conhecendo a cidade.

Nós dois gostamos de cozinhar e cuidar de casa. Gostamos de ir para a estrada com nosso carrinho MG vintage, passar tempo com nosso filho de 17 anos, que vai partir para a universidade no ano que vem, e sonhar em comprar uma casa velha na França que possamos reformar quando formos velhos.

Felizes com um casamento sem sexo

Temos planos e sonhos, e não precisamos do sexo para realizá-los. Precisamos, sim, de carinho, de dividir uma cama, de ficar juntinhos no sofá à noite ou andar de mãos dadas às vezes.

Sei que as pessoas vão julgar o caminho que escolhemos. Vão dizer que deve haver algo de muito errado em um casamento sem sexo, que algo deve estar faltando, que há algo de antinatural nisso.

Mas não é assim que nós enxergamos a situação. Na verdade, o sexo é tão irrelevante para mim que acho que, mesmo que John transasse com outra pessoa, isso não significaria necessariamente o fim de nossa relação.

Seria um choque para mim, porque, como eu, ele diz que não se interessa mais por sexo. Mas não faria sentido dizer que meu casamento acabou apenas porque John optou por procurar em outro lugar algo que ele sabia que não havia em casa.

Seja como for, sei que ele valoriza e respeita nossa relação, como eu, e acho pouco provável que ele queira colocá-la em risco por algo que nós dois acabamos por enxergar como irrelevante.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

O Antes e Depois de 19 Casais