OPINIÃO

A cultura japonesa pra vida: Kintsukuroi e o valor do imperfeito

Não existem motivos para se envergonhar de si mesmo ou das suas imperfeições.

08/06/2017 14:39 -03 | Atualizado 08/06/2017 14:39 -03
real mostrosities
Técnica usada na na cultura japonesa: as peças de cerâmica quebradas são reparadas com uma mistura de laca e pó de ouro.

A cada dia que passa, temos de ter em mente que NADA nessa vida é por acaso e tudo tem os seus motivos. Somos todos humanos, com tamanhos, cores, desejos, sonhos, gêneros e personalidades diferentes. Não há um padrão, como também não existe nada que possa ser menosprezado/ignorado por ser diferente dos demais, seja por num determinado grupo ou fora dele.

Uma técnica usada na na cultura japonesa, e que pode ser usada em nossas vidas é a Kintsukuroi, em que as peças de cerâmica quebradas são reparadas com uma mistura de laca e pó de ouro. O resultado as tornam mais valorizadas que as que estão intactas. E qual o motivo?

Foto: Google/ Técnica Kintsukuroi

Sua estética aborda questões de cuidado, respeito e importância, ao invés de priorizar somente a beleza. Tratar os objetos com ouro, de acordo com os japoneses expressa a história do objeto (quem deu, a importância sentimental). Ou seja: consertá-lo torna o objeto único e especial.

Observando por este ângulo tão delicado e criando uma analogia com quem somos, é necessário que você tenha em mente que não existem motivos para se envergonhar de si mesmo ou das suas imperfeições. Elas possuem a beleza necessária para que você agradeça por ter vida. Qualquer ponto que o diferencie dos demais é uma celebração à vida e uma forma de aprendermos também com os nossos erros.

Não se esforce em esconder as tuas falhas, problemas e incertezas. Pense no ouro como o item que nos conserta, quer seja a sabedoria, quer seja mais amor pela vida. Sempre que você se sentir como um vaso quebrado, pense que tudo possui uma solução e supere aos poucos os teus medos, inseguranças e valorize o que te faz bem.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- O Nordeste é o Brasil que deu certo

- Obrigado Moby, mas a verdade digital dói

Rodrigo Hilbert, o 'homão da porra'