OPINIÃO

Democracia brasileira em busca da maturidade

19/03/2015 14:18 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:36 -02
Paulisson Miura/Flickr
Cuiabá, 20 de Junho de 2013 Manifestação em Cuiabá que reuniu cerca de 40 mil pessoas para protestar contra a corrupção e violência. Link notícia: <a href="http://www.midianews.com.br/conteudo.php?sid=3&amp;cid=163282" rel="nofollow">Midia News</a> <a href="http://500px.com/Paulisson" target="_blank" rel="nofollow">500px</a> || <a href="https://www.facebook.com/paulisson.miura" target="_blank" rel="nofollow">Facebook</a> || <a href="http://www.flickr.com/photos/paulisson_miura" target="_blank">Flickr</a> || <a href="http://projetarfotografia.tumblr.com" target="_blank" rel="nofollow">Tumblr</a> || <a href="https://twitter.com/Paulisson" target="_blank" rel="nofollow">Twitter</a>

Não há como ignorar a atual fase política que vive o Brasil. É hora de percebermos que a inércia de ativismo político que parecia tomar conta da população brasileira parece ter dado lugar a uma nova face mais atenta, opinativa e participativa. Talvez nossa democracia, ainda recente, esteja chegando a sua maturidade. Entretanto, com a maturidade novas responsabilidades surgem. Estamos aprendendo, enquanto povo, a fazer democracia. E não tem sido fácil.

O tema que antes era exclusivo de poucas conversas intelectuais (via de regra da esquerda), tomou contornos verdadeiramente democráticos quando todas as esferas da população parecem ter se despertado para as discussões políticas. Não há mais como negar: pobres e ricos, negros e brancos, homossexuais e heterossexuais, nordestinos e sulistas, brasileiros de todas as faces se despertaram para a política nacional.

Claramente, contudo, estamos engatinhando em matéria de aprendizado da forma de lidar com a democracia em nosso país. Alguns portadores de verdades universais sobre a o tema parecem querer impor uma cartilha de 'pode' e 'não pode' nas discussões políticas.

Da varanda gourmet não pode protestar. Se for branco, heterossexual e de classe média/alta então, esqueça, você perdeu o direito de se manifestar. Por outro lado, o 'vai para Cuba' tornou-se grito de ordem. E o absurdo de relembrar a ditadura militar foi realizado por grupos muito pequenos da população. Na verdade, vivemos em uma ditadura de opinião. Se não há concordância, você está errado.

Parece termos um País dividido. Os dois lados (que na verdade possuem características internas muito heterogêneas) se utilizam do discurso do 'bem' contra o 'mal'.

E que dois lados são esses? Até quando vamos aceitar sermos classificados entre dois grupos que são incapazes de estabelecer uma pauta e postura claras para gerar identificação da população com os mesmos?

Estamos acostumados a atribuir culpa a outros. Não nos responsabilizamos por nosso papel na sociedade e na vida política. Talvez as manifestações recentes, seja as de 2013, seja as do último dia 15 (sem mencionar uma movimentação importante nas mídias eletrônicas), sejam um embrião promissor de uma maior atividade da sociedade nos assuntos de nosso país.

Nossa democracia demonstra estar ainda em busca da maturidade. Enquanto não aprendermos nossas próprias responsabilidades enquanto agentes políticos e a respeitar posições distintas das nossas, ainda não estaremos vivenciando um ambiente realmente democrático.

VEJA TAMBÉM:

Repercussão dos protestos no Exterior