OPINIÃO

Nem toda brasileira é bunda

26/02/2014 09:02 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02

A Adidas é uma patrocinadora oficial da Copa do Mundo e tenta, em suas campanhas, vender uma imagem de modernidade, de estar sempre com um pé (literalmente) no futuro.

Isso certamente tornou ainda mais polêmicas as camisetas que a empresa produziu relacionando a imagem da brasileira com sexo.

Não vou aqui dizer que é uma visão apenas estrangeira, afinal esse tipo de imagem da mulher brasileira é vendida (e muito) pelos próprios brasileiros como se fosse um atrativo turístico brasileiro. Veja aqui.

Não por acaso há toda uma preocupação (justificada, aliás) que a Copa se preste a turismo sexual, inclusive de menores.

O episódio teve um lado positivo. Logo que começou a polêmica mostrando a inconformidade com a camiseta, a Adidas voltou atrás -- e rapidamente.

Vemos, portanto, que o país já não aceita esse estereótipo que, até pouco tempo, era inclusive cultivado pelo governo ao promover o país.

Como canta Rita Lee, nem toda brasileira é bunda.

A sorte da Adidas (muita sorte, diga-se) é que ela cometeu esse erro no Brasil. E não nos Estados Unidos, onde iria apanhar muito mais.