OPINIÃO

O referendo italiano deveria ser alerta para a Europa

08/12/2016 23:34 -02 | Atualizado 08/12/2016 23:34 -02
Tony Gentile / Reuters

Depois do referendo, a Europa olha para a Itália com preocupação. Muitos temem que a crise econômica do país vá se aprofundar, levando o continente ao outra crise do euro. Ou, ainda pior, alguns observadores temem que a Itália possa seguir o exemplo do Reino Unido e abandonar a União Europeia.

Em primeiro lugar, a Itália perdeu uma grande oportunidade de reformar o país no referendo realizado no domingo, dia 4 de dezembro. As propostas de reforma de Renzi teriam reduzido nossa burocracia infernal e ajudado a impulsionar a economia. É mais provável que a economia se enfraqueça depois do resultados. Mas parece que a maioria dos italianos não considerou as repercussões de seus votos.

A mensagem mais importante deste referendo é que os italianos estão insatisfeitos com seus políticos. Como vimos na eleição presidencial americana e no referendo do Brexit, os cidadãos deram um grito.

Os italianos expressaram sua insatisfação com Renzi e com toda a classe política. Depois de uma crise econômica que durou dez anos, eles estão ansiosos em relação ao futuro. Os políticos de Bruxelas fizeram pouco para acalmar os cidadãos.

Para os italianos, a UE parece um zoológico de burocratas. Para eles, a União não representa esperanças: é um monstro de regras e regulamentações sem nada a oferecer.

Como vimos na eleição presidencial americana e no referendo do Brexit, os cidadãos deram um grito.

Isso deve ser levado a sério em Bruxelas, mais que nunca depois do referendo. A UE precisa saber não só de déficit e cifras, mas também sobre a nova geração, sobre os trabalhadores, sobre os pobres. Essas pessoas precisam da UE mais que nunca. Dê esperança a elas, para que elas não tenham de ter medo do futuro!

Para que isso aconteça, precisamos de uma Europa forte.

A Alemanha - e esta é a mensagem do referendo para Berlim - tem de assumir um papel de liderança na UE. A Alemanha é o único país que é política e economicamente estável e poderoso o suficiente para desempenhar esse papel. Do contrário, a Europa vai desmoronar. E não podemos permitir que isso aconteça.

Mas sou otimista em relação ao futuro. Em tempos difíceis, os italianos sempre estão prontos para dar o seu melhor.

Somos europeus. A maioria dos italianos gostaria de permanecer na UE. Não somos nacionalistas, não somos um país que pende para a direita. E certamente não queremos sair da UE.

Post publicado originalmente no HuffPost Itália.

LEIA MAIS:

- Itália vai discutir legalização do cultivo de maconha

- A saída do Reino Unido da União Europeia e o futuro do bloco

- A Grécia e o trilema da globalização

Também no HuffPost Brasil:

10 séries de TV para quem gosta de política