OPINIÃO

O que não perder na mostra David Bowie, do MIS

29/01/2014 15:14 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:51 -02
.

Pronto, tchau, cabô Kubrick. Em 31/01 o Museu da Imagem e do Som paulistano abre uma nova retrospectiva que deve dominar o instagram, dessa vez dedicada à David Bowie.

É a mesma exposição que fez barulho ano passado em Londres, programa certo para quem ama música e cultura e não só para fissurados em Bowie. Eu visitei (escrevi na época para a Ilustrada, leia) e indico cinco peças que o visitante não pode deixar de ver.

1. Todas as roupas, mas principalmente as mais modernas e menos conhecidas, como as criadas por Alexander McQueen para a tour do álbum "Earthling" em 1997 e por Hedi Slimane para a tour do álbum "Heaten" em 2002;

bowie exposição

2. A filmagem de um Bowie muito jovem, cabeludo e meio perdido na Factory de Andy Warhol, no fim dos anos 1960;

3. A foto de Bowie com o escritor William Burroughs, de Terry O'Neill, o mesmo que fez essa imagem;

bowie exposição

4. Um retrato a óleo de James Osterberg, mais conhecido Iggy Pop, pintado por Bowie (está na ala dedicada ao período passado em Berlim);

bowie exposição

5. As filmagens, consideradas perdidas, da tour Philly Dogs, do álbum "Diamond Dogs" na Filadélfia, em 1974 (desculpa, não achei no youtube).

O livro "David Bowie Is", criado pelo Victoria & Albert Museum para registrar e celebrar a exposição, foi editado no Brasil numa parceria MIS/Cosac Naif e já pode ser comprado no site (também estará à venda na loja do MIS durante a exposição). A encadernação brasileira é linda, luxuosa e rigidamente igual à britânica, com a única diferença de ter os textos em português.

Datas, preços, ingressos e afins no site do MIS.

PS: algumas fotos são desse post do site SubteRock.com, que tem muito mais pra quem quiser um aperitivo da exposição (texto em espanhol).

(texto originalmente publicado no meu blog)