OPINIÃO

Colocando comentários de brasileiros conservadores no contexto venezuelano

É hora de começarmos a refletir sobre a situação social e política do nosso continente de uma forma que vá além de aspectos ideológicos.

04/05/2017 17:12 -03 | Atualizado 04/05/2017 17:38 -03
Carlos Garcia Rawlins / Reuters
Partidários da oposição entram em confronto com a polícia em protesto contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas.

Sabe aqueles comentários meio rancorosos que tomaram conta das redes sociais e conversas no bar durante a Greve Geral no dia 28 de abril? Resolvi copiar e colar alguns, adaptando algumas coisinhas e utilizando fotos de protestos na Venezuela para usarmos, em um simples toque de imaginação, como eles seriam aplicados se a situação fosse naquele país.

Lá, um governo de esquerda enfrenta "protestos violentos" contra o que os manifestantes chamam de abuso de poder. Aqui, um governo que aplica medidas neoliberais de direita enfrenta manifestantes que o acusam de rasgar direitos civis conquistados pela classe trabalhadora. Ambos, em tese, possuem uma baixa popularidade. Ambos, na prática, usam da violência contra opositores.

Afinal, como seriam os "comentaristas revoltados de direita" se estivessem colocados no contexto venezuelano? Saca só:

"Por que esses manifestantes estão mascarados? Boa coisa não estavam fazendo", disse um comentarista de Facebook.

FEDERICO PARRA via Getty Images
A polícia se protege depois que estudantes jogaram cocotéis molotov durante protesto.

"A manifestação seguia pacífica, até o momento em que um pequeno grupo de vândalos começou a atirar pedras na polícia, que revidou com gás lacrimogêneo", disse a âncora do jornal.

"Totalmente justificável a atitude da polícia. Plena quarta-feira e vagabundo na rua protestando? Tiro de bala de borracha foi pouco", escreveu um usuário do Twitter.

"OLHA A POLÍCIA OPRESSORA! Mais opressão nessa cambada de vagabundo. O que não aprendeu em casa a polícia ensina na rua" e "Quebrou o cassetete foi pouco. Aliás deveríamos fazer uma vaquinha pro policial comprar um cassetete novo, já que ele quebrou este mantendo a ordem contra esse terrorista mascarado", sugeriu um leitor nos comentários do site de notícias.

AFP/Getty Images
O pessoal da Guarda Nacional é desmontado por manifestantes.

"BOLSONARO2018 NESSA VENEZUELA! Tem que meter bomba mesmo. Trabalhador em dia de semana tá trabalhando. Esses aí não são manifestantes. Protesto é só de domingo" e "Onde fica o direito de ir e vir do cidadão que quer trabalhar? Eles fecham avenidas, ruas e estradas, criam um caos, e o nosso direito? Aqui só vale o Direitos dos Manos mascarados e vagabundos?" nos comentários do Youtube.

"Esse grupo não aceita o resultado das urnas e faz isso, sempre assim. Esse grupo quer impor sua agenda política através do vandalismo, atacando policiais trabalhadores, pais de família, e depois vem com esse vitimismo. E a mídia COMPRADA ainda engole o papo deles. CANA NOS VAGABUNDOS", disse o cidadão revoltado na mesa do bar.

FEDERICO PARRA via Getty Images
Pelo menos um manifestante pegou fogo e dois legisladores da oposição estavam entre os feridos.

"Mimimi. E estudante protestando em plena quarta-feira de manhã? Sei. Cadê o livro? Vai ver as notas dele na escola. Tudo vagabundo. Parabéns pra polícia", escreveu em sua Timeline mais um cidadão revoltado com as cenas de vandalismo.

Este post caberia perfeitamente para quem também critica a violência policial contra manifestações populares no Brasil mas elogia/ignora a repressão contra protestos na Venezuela.

Sinal de que é hora de começarmos a refletir sobre a situação social e política do nosso continente de uma forma que vá além de aspectos ideológicos - e, talvez, partir de um diagnóstico mais humano.

Um vidro quebrado de uma corporação que atinge recorde de lucros em plena crise econômica realmente vale mais do que a vida de um jovem estudante?

Um projeto político que nasceu de uma base popular mas pouco fez para garantir para essa parcela da sociedade uma qualidade de vida digna realmente vale mais do que a vida de trabalhadores que estão se manifestando por não conseguirem viver em tal situação de violência e escassez?

A chamada "luta de classes" vai além disso. Ela significa a luta do povo oprimido contra o Estado repressor, por igualdade de direitos e social, em plena liberdade de mobilização em favor de sua classe. Em nenhum dos dois cenários temos essa conquista plenamente conquistada. Muito pelo contrário.

Menos comentários absurdos. Mais reflexão.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- A Greve Geral do dia 28 de Abril e o despertar para os dias que virão

- Aqui está o motivo que pode gerar uma terceira guerra mundial, segundo o Papa Francisco

Protestos na Venezuela