OPINIÃO

Por que a menstruação ainda é um tabu?

Situação das mulheres na Índia durante o período menstrual revela o perigo de não se tratar o assunto corretamente.

16/05/2017 12:40 -03 | Atualizado 16/05/2017 12:41 -03
Getty Images/iStockphoto
Na Índia, menstruação é um tema ainda mais delicado que no Brasil.

Mês passado, comprei um coletor menstrual, também conhecido como "copinho". À primeira vista, ele é um pouco intimidador. No entanto, me proporcionou uma sensação de liberdade inacreditável. Um assunto tão natural, mas que ainda gera um tabu enorme.

Quando me mudei para Índia, um dos primeiros choques culturais que tive foi perceber que os absorventes ficavam sempre escondidos nas prateleiras do supermercado. Muitas mulheres os compravam e os enrolavam em jornais por vergonha.

Lá, no período da menstruação as mulheres são consideradas impuras, sujas e até mesmo amaldiçoadas. Uma pesquisa revelou que uma a cada cinco meninas deixam a escola por vergonha quando estão menstruadas. São mais de três milhões de jovens meninas que prejudicam seus estudos por esse motivo.

O tabu atinge todas as castas, desde as mais baixas até as mais altas. Certo dia, debati esse tema com um amigo que pertence a uma casta elevada. Quando o questionei sobre o assunto, ele disse: "Minha mãe não pode cozinhar para a família e nem entrar nos templos no período menstrual, pois ela é considerada impura, é um tempo de reclusão".

Perguntei para outra amiga indiana sobre o mesmo tema; ela disse que em algumas famílias as mulheres não podem nem se sentar em cadeiras. Elas devem ficar no chão em um lugar mais isolado, e sua comida é servida separadamente.

Atualmente, há diversas organizações não-governamentais que lutam para combater esse tabu na Índia. Não é apenas uma questão feminina, mas também de saúde pública. Muitas meninas utilizam pedaços de pano para absorver o sangue menstrual. Como esse tecido é utilizado diversas vezes e sem a devida higienização, isso coloca em risco a saúde das mulheres.

Uma coisa é certa: o fato de eu começar a utilizar o "copinho" me proporcionou entrar em contato com o meu próprio corpo, conhecê-lo e aceitá-lo. Além de fazer qualquer atividade do meu cotidiano normalmente, como minha aula semanal de natação.

Além de ecologicamente correto, o coletor não deixa que o sangue menstrual entre em contato com a pele. Evita, assim, a ocorrência de alergias e a proliferação de bactérias causadoras de infecções.

O primeiro passo para superar esse tabu é começar a falar sobre o assunto com naturalidade. Isso contribui para que diversas meninas do mundo todo se mantenham saudáveis e ativas durante a menstruação.

Sob essa perspectiva, eu espero que assim como me senti livre com o "copinho", outras milhares de mulheres possam encarar essa realidade com liberdade e leveza.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

LEIA MAIS:

- Conheça o homem que revolucionou o absorvente higiênico em vilarejos da Índia

- O que o silêncio fez por mim

- Por que a licença menstruação pode prejudicar as mulheres

Esta é Mitsugetsu, uma mulher que simboliza a beleza em qualquer idade