OPINIÃO

5 coisas que acontecem quando você fica 30 dias, literalmente, no meio do oceano

07/12/2016 18:37 -02 | Atualizado 07/12/2016 18:37 -02

Olá, Aventureiros!

Preparados para uma longa jornada no mar por aproximadamente 30 dias? Pois esse é o período total de navegação da última etapa da nossa Expedição Oriente.

Estamos, neste momento, no meio do Oceano Atlântico. Nosso veleiro Kat parece uma ilha cercada de água por todos os lados. Voltaremos a ter "terra a vista", no dia 10 de dezembro, quando chegaremos na Marina Itajaí, em Santa Catarina.

Mas a Expedição Oriente foi muito mais longa. Desde a partida, foram mais de 800 dias de aventura! O que acontece numa viagem dessa? Até agora, todos os detalhes eram segredo... Estou brincando, claro. Já compartilhei muitas emoções com vocês por aqui, certo? (rs)

Mesmo assim, é hora de revelar algumas informações, guardadas até agora no veleiro Kat. Todos a bordo?!

1. Comida: o que pode e o que não pode!

A sua geladeira em casa cabe comida para alimentar 8 pessoas por 30 dias? Essa é uma necessidade real. Por isso, para começar, temos uma geladeira e dois freezers.

2016-12-07-1481138309-652175-GeladeiradoveleiroKat.JPG

Antes de sair para qualquer navegação é fundamental não só a preparação do barco, mas também preparar os alimentos dos tripulantes. Como sabem, a fruta que fica no fundo da sua geladeira só fica válida até um certo tempo, né? E nós?

Logística é fundamental e, num caso extremo de 30 dias de navegação, segue algumas regras.

Regras e comida não combinam (pelo menos, no meu caso), mas vamos tentar cumprir.

Duas frutas por dia e, assim, teremos fruta fresca até chegar no Brasil. (Se não, começamos a abrir as latinhas de fruta em conserva). Então, manera aí, galeria!

Proteína? Já que temos um quintal com peixes podem imaginar que nossa base de proteína é o peixe do dia.

2016-12-07-1481138430-8307418-Wilhelmpescador.JPG

Também, como espaço é fundamental, a prioridade nos freezers são: legumes, pão, e comida pronta (normalmente, cozinhada antes da navegação, para não ser "adiada" em casos de mau tempo). Isso é o que nos salva numa tempestade.

E sorvete? Olha. Sorvete é um luxo a bordo. Não faz muito sentido ter sorvete no veleiro. Por que? Bom, mesmo que sorvete consuma só um espacinho, ele desaparece em menos de 5 minutos! (rs) Infelizmente, (alguns podem concordar ou não... eu não concordo!) não é prioridade. Como o espaço é limitado, as coisas com maior prioridade vêm primeiro. Mas, quando chegamos em terra, Capitão sempre convida todos para um sorvete. Dia 10 de dezembro, chegando no Brasil, vai ter sorvete para toda a tripulação!!! Valeu, Capitão!

2. Luxo (para os velejadores no mar).

Água, sorvete e internet!

Para nós, velejadores, luxo tem uma definição diferente. Água potável, bom tempo e tudo em ordem (especialmente dentro da sala de máquina).

A bordo, nosso maior luxo é o desalinizador, que transforma água salgada em potável através de filtros e membranas. Contamos com essa máquina (dado por um dos nossos fornecedores, a Parker), que produz entre 80 e 140 litros por hora, dependendo da temperatura do oceano. Esse é um dos aparelhos mais importantes do barco, além do sistema de piloto automático, os motores, as velas.

Outro item de luxo é a internet. Sim, no meio do mar, temos internet! É muito mais lenta que o 3G em terra, funciona via satélite e é uma ferramenta fundamental para todos - inclusive, para eu atualizar o blog e fazer um convite especial para vocês, principalmente, se estiverem no litoral de Santa Catarina:

Enfim, dentro do barco, ficamos felizes só com o básico... e talvez um sorvete. :)

3. Entretenimento

2016-12-07-1481137967-3098417-Diversoabordo.jpg

Durante os últimos dois anos, aprendemos como nos entreter a bordo com muito trabalho, um grande estoque de filmes, cartas, livros e, claro, tudo que os nossos celulares podem oferecer.

Na última volta ao mundo da minha família, em 1997, não existia Facebook, Instagram e nem a velocidade de internet que temos hoje. Eu, parte da geração y, gosto muito de pesquisar sobre os lugares novos que iremos conhecer. Minhas pesquisas pessoais podem ser assim:

- Coisas para fazer no Japão.

- Coisas bizarras para comer na China?

- Que tipo de dinheiro usam em Hong Kong (meu lugar favorito)

- Fatos bizarros sobre Austrália

Sempre estou em busca de cultura, história e até alguns fatos curiosos (que ninguém aborda, sabem?). Também não poderia ficar tranqullo, sem avisar minha mãe que não tem ondas de 10 metros no meio do mar! A internet é o básico com toda prioridade para previsão de tempo, pesquisas, para acalmar a família e até se divertir.

4. Convivência e como viver feliz com apenas 3 metros!

Acompanhe comigo: 24 metros... 8 pessoas... = 3 metros por pessoa, né?

Como fazemos para viver feliz? Boa pregunta!

Para estar em harmonia no seu trabalho com seus chefes e colegas pode ser fácil, correto?

Mas já pensou em dividir tudo com eles? As coisas na geladeira, a cozinha e o banheiro? E por mais de 2 anos!

Convivência é algo delicado, especialmente quando existem datas de entrega, pressão dos chefes e críticas. Então, temos que aprender a lidar e conviver com cuidado e respeito nesse espaço apertado.

Estando sempre na função e disponível, pode ser difícil se desconectar. Mas temos algumas formas de escapar. Pode ser entrando no quarto e dando aquela "sumida", colocando um fone de ouvido e escutando uma boa música ou asistindo um por do sol no final do dia.

Uma cervejinha junto com toda a equipe também pode acalmar as coisas ou ajudar a esfriar a cabeça. No final, estamos (literalmente) no mesmo barco. Mas temos muitas diferenças: gostos por música, comida etc.

Confusão entre tripulantes acontece, o que é normal. Mas, quando acontece, é fundamental que seja resolvida o quanto antes para evitar qualquer estresse, que pode afetar o desempenho, o foco e a harmonia do grupo. Mesmo se for concordar ou não concordar.

2016-12-07-1481138140-4975930-TripulaocompletadoveleiroKat.JPG

5. Shhhh! Todos nós somos marinheiros.

Como muitos sabem (ou não), a grandeza e a profundidade do mar nos impedem de baixar a âncora e poder parar o barco no meio do mar. A bordo, todos temos as funções (fora as tarefas profissionais) como marinheiros.

Turnos decididos por meu avô, o Capitão Vilfredo Schurmann, são seguidos durante a viagem. São turnos de 4 horas com intervalos de 8 horas entre eles para descanso. No total, são 16 horas de descanso por dia. Gostoso, né? Especialmente com esse balanço do mar.

Bom, durante os turnos, são realizados (quando necessários) movimentos das velas, atenção a navios e luzes assustadoras. Sim! Já vimos algo uma vez, mas isso fica para outro post.

Mais! Uma das coisas mais importantes é o silêncio!

Meu turno junto com o Capitão é realizado entre 1 e 5 horas da manhã e, depois, novamente entre 1 e 5 horas da tarde (fácil para lembrar, né?). Enquanto alguns fazem seus turnos, os outros descansam para estarem dispostos na sua vez. Como os horários de sono são diferentes é fundamental manter algum nível de silêncio, detro do nosso pequeno espaço.

2016-12-07-1481138593-9245625-CapitoeEmmanuelTurnodadupla.JPG

Bom, pessoal, espero que curtido saber um pouco mais sobre o nosso dia a dia a bordo! E outras curiosidades são postadas diariamente na página da Família Schurmann no Facebook.

Grande abraço e até o próximo post (que será feito... no BRASIL!)

Emmanuel