OPINIÃO

O Vasco à deriva

Três rebaixamentos em oito anos parecem não ter sido suficientes para fazer acordar o homem forte do Vasco.

02/02/2017 23:01 -02 | Atualizado 06/02/2017 14:13 -02
Reuters Photographer / Reuters
Eurico Miranda, o controverso presidente do clube Vasco da Gama

Três rebaixamentos em oito anos parecem não ter sido suficientes para fazer acordar o homem forte do Vasco. Tampouco o fato de ele ter tido participação direta em dois desses três revezes parece fazê-lo ter um pouco mais de bom senso e autocrítica. Em outras palavras, Eurico não aprende nem com seus erros, nem com os dos outros.

É claro que tanta arrogância e falta de visão não iriam ficar impunes. A conta sempre chega, e quem paga, nesse caso, são o clube e os torcedores. Mas boa parte desses últimos está apenas colhendo algo que plantou muitos anos atrás. Quantos não admiraram o "doutor", apoiaram e até mesmo se gabaram de sua truculência, sua falta de educação, suas falcatruas descaradas e suas fanfarronices por anos a fio?

Quem é do Rio e não é vascaíno certamente já ouviu da boca de algum que "todo mundo queria ter um presidente como o Eurico". Os mesmos que agora querem ver o Vasco livre dele e de todo o clã Miranda, o qual tomou o clube de assalto e o tem como sua propriedade. Eles não se davam conta, mas aquelas atitudes ajudaram a pavimentar o caminho do Charutão rumo a sua perpetuação no comando da instituição.

É sempre uma temeridade tirar conclusões, boas ou ruins, a respeito de qualquer time no começo de uma temporada. Ainda mais num futebol onde as coisas mudam tão rapidamente de uma hora para outra. O próprio Vasco é um bom exemplo da bipolaridade que domina o futebol. Em 2015, o time viveu um primeiro semestre de sonho. Recém retornado da Segundona, venceu o Estadual – no Rio, nenhum outro clube dá tanto valor ao Estadual quanto o Vasco – após 12 anos, o que elevou as expectativas da torcida em relação ao Brasileiro.

No fim do ano, mais um rebaixamento.

Mas o segundo turno do time foi espetacular. O Vasco teve campanha de time que brigaria pelo título. A salvação não veio, mas a torcida reconheceu o esforço dos jogadores e comissão técnica e o ano, apesar de tudo, não terminou em clima de tragédia. 2016 começou e os caras ganharam o Estadual mais uma vez. Vem a Série B e, no primeiro turno, o Bacalhau nada de braçada. Só que aí a idade avançada de vários dos jogadores do elenco começou a pesar, e também as pernas desses mesmos jogadores dentro do campo. Por muito pouco o Vasco não viu escapar uma volta à Série A que parecia já garantida.

Bom, se em 2015 o rebaixamento acabou não tirando por completo o ânimo dos torcedores, o contrário aconteceu após a promoção em 2016. Em vez de comemoração pela volta, vaias, muitas vaias. E foi nesse clima que o Almirante começou 2017.

Os mais supersticiosos poderão dizer que assim é melhor; porém, quem acompanha futebol um pouco mais de perto sabe que não é bem assim que a banda toca. Quando se olha para o que o Vasco tem hoje em termos de time, elenco e até treinador, sinceramente, assusta. Erros que foram fatais em 2015 e que quase fizeram o time permanecer na Série B em 2016 continuam a ser cometidos.

Como a contratação de jogadores já muito rodados, por exemplo, que mantém alta a média de idade da equipe. O Vasco de hoje parece um time de Showbol, ou um desses combinados de veteranos que viajam pelo interior do país fazendo partidas de exibição em troca de uma grana e churrasco.

Com essa estratégia, mesmo estando somente no início da temporada, já é possível imaginar o que vem por aí, pois trata-se de um erro grotesco, desses que o futebol não costuma perdoar. Pelo menos não o futebol da Primeira Divisão. E disso o vascaíno entende bem. Ele já viu esse filme antes e certamente sabe que o final não é feliz.

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representam as ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública. Se você deseja fazer parte dos blogueiros, entre em contato por meio de editor@brasilpost.com.br.

5 mulheres que enfrentaram o machismos nos esportes