OPINIÃO

Escolher um trabalho tem tudo a ver com quem a gente é. Como não surtar?

03/08/2015 23:19 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02

2015-07-31-1438364360-3534840-jornalistaludimila.jpg

Por Ludimila Honorato, 22 anos, do Jardim da Conquista

Meu avô queria que eu fosse médica, mas até hoje passo mal vendo sangue. Minha mãe sugeriu direito ou que eu fosse comissária de bordo, mas um não me atraía e só recentemente descobri como faz pra ser aquelas bem arrumadas aeromoças. No fim, escolhi jornalismo.

Na hora de escolher o que fazer da vida depois da escola, muita gente trava. Ninguém diz com todas as letras que não tem um caminho só nem que a gente não vai não escolher algo pro resto da vida.

É tanta pressão, influência e opção que a gente fica sem saber o que quer e do que gosta - e isso é fundamental pra escolher o que fazer quando a escola acabar.

Fui falar com um orientador profissional sobre isso e Valdemar Bacalhau Jr. foi bem direto. Disse que percebeu três problemas principais que rolam na nossa cabeça na hora de decidir um trabalho, uma carreira, o que fazer da vida quando nos dão - pelo menos em teoria - o direito de escolher:

1) ir na onda da família: quando o desejo dela fica acima do estudante;

2) ter um sonho sem questionar: que geralmente está ligado à ideia de que assim a vida será fácil e perfeita como quando se quer ser jogador e só;

3) querer um trabalho sem ver se ele tem a ver com você.

É por isso que Valdemar diz que a escolha do trabalho tem a ver com auto-conhecimento. Papo exotérico? Nada disso. Como a gente vai escolher o que fazer se nem sabe direito quem é, nem do que gosta?

"A pergunta 'quem eu sou?' não passa pela cabeça do adolescente, então é preciso conhecer a si mesmo e ver se tal profissão serve pra você, não o contrário."

Outra orientação legal é pensar no coletivo e ver o que você faz bem e que pode ajudar outras pessoas e assim virar um trabalho.

Aí você diz: "mas eu preciso escolher algo pra ganhar dinheiro!"

Sim, mas focar apenas no salário pode não ser a melhor das escolhas. No último ano da escola, eu me perguntei: faço jornalismo e ganho pouco ou faço engenharia civil pra ganhar dinheiro e depois fazer o que quero de verdade?

"Se você escolher uma profissão pensando no dinheiro, em algum momento você vai ter uma crise", diz o orientador Valdemar. O mundo, as sociedades e também as profissões passam por mudanças e o que dá dinheiro hoje pode não dar daqui a 10 ou 20 anos.

Escolhi jornalismo e fico bem feliz em ajudar uma galera a escolher sua profissão e compartilhar o que observo.

Um pouco do que descobri sobre essa hora de decidir tá numa série de matérias que a gente publicou no canal Na Responsa!

Quer continuar lendo matérias como essa? Seja um apoiador firmeza da Énois e ajude a gente com as nossas formações de jornalismo com os jovens. Clique aqui e saiba como apoiar.

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: