OPINIÃO

OMS confirma: carnes são cancerígenas

08/04/2016 19:12 -03 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02
Dendron via Getty Images
Fresh homemade bacon

No seu mais recente relatório, publicado no mês de outubro, a Organização Mundial de Saúde (OMS), através do seu órgão IARC (Agência Internacional de Pesquisa do Câncer), surpreendeu muitos ao afirmar que carnes processadas e carnes vermelhas definitivamente podem causar câncer.

Carnes processadas, defumadas, curadas, salgadas, ou às quais foram adicionados conservantes, tais como bacon, presunto, linguiça, salsichas, carne enlatada e carne seca, inclusive preparações e molhos à base de carne, foram incluídas na categoria I de potenciais carcinógenos, no mesmo patamar que tabaco, arsênio e fumaça de diesel. Já a carne vermelha - cortes in natura de bovino, suíno, caprino, ovino e equino - foi incluída no grupo 2A, que corresponde a produtos capazes de provocar câncer.

Novidade para alguns, comprovação para outros

Apesar de muitos se mostrarem surpresos e até mesmo céticos, já existem diversas evidências científicas publicadas por instituições e pesquisadores respeitados que vêm apontando para os efeitos indesejáveis do consumo excessivo de carne, especialmente a vermelha e a processada. Revistas científicas como o Jornal Americano de Nutrição Clínica e o Jornal Americano de Epidemiologia e instituições como a Associação Americana do Coração e o Fundo Mundial de Pesquisa do Câncer, entre outras, vêm apontando de maneira destacada que o alto consumo desses produtos está relacionado às doenças como diabetes, obesidade, câncer, alergias, problemas digestivos e problemas cardíacos.

Certamente, os valores culturais impõem uma barreira de grande resistência à mudança de hábito, já que a carne encabeça a lista de preferências alimentares de muitos brasileiros. Entretanto, é necessário atentar-se a esse assunto de maneira mais séria, uma vez que as pesquisas vêm enfatizando a importância da redução do consumo de carne.

No Brasil, por exemplo, o Ministério da Saúde, através do seu novo Guia Alimentar, edição atualizada em 2014, recomenda um consumo mais limitado não só de carne, mas de qualquer produto de origem animal, o que inclui derivados de leite e ovos.

Reduzir o consumo de carne significa proteger a própria saúde

Os dados divulgados pela OMS estimam que 34 mil mortes anuais por câncer sejam devidas a um consumo elevado de carnes processadas. E para fazer parte do grupo de risco basta comer apenas 50 gramas por dia - equivalente a duas fatias de bacon - para aumentar em 18% a chance de desenvolver câncer de cólon e reto, sendo esse o segundo tipo de câncer mais diagnosticado em mulheres e o terceiro em homens.

Pesquisas vêm observando que a cada ano que passa, mais pessoas sofrem de obesidade, doenças cardíacas, câncer, diabetes e hipertensão, e que escolher opções vegetais no lugar de carne, ovos e derivados do leite é benéfico à saúde. Algumas evidências mostram ainda mais: muitas dessas doenças crônicas podem ser prevenidas, tratadas e, até mesmo, revertidas com uma dieta vegetariana.

Escolha uma vida mais saudável: participe do 'Desafio 21 Dias Sem Carne'

Para conscientizar as pessoas sobre uma dieta mais saudável, sustentável e que respeita os animais, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) lançou no Brasil o 'Desafio 21 dias sem carne'. Celebridades como o cantor Junior Lima e a atleta olímpica Fernandinha já aceitaram participar. Faça parte você também desse movimento. Entre no site www.desafio21diassemcarne.com para saber como e compartilhe a ideia com seus amigos.

LEIA MAIS:

- 3 tristes fatos que a indústria da carne tenta esconder de você

- Por que a prova do laço não voltou para Barretos - ainda bem!

Também no HuffPost Brasil:

7 dos melhores destinos para vegetarianos e veganos no mundo