OPINIÃO

OIT: 'A maternidade deve ser tratada como um processo natural, por isso a flexibilidade é importante'

06/03/2015 18:04 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02
jupiterimages

A Organização Internacional do Trabalho, OIT, lançou nesta semana um relatório sobre disparidades entre homens e mulheres no mercado de trabalho, com foco na maternidade.

Segundo a OIT, as diferenças de salários continuam para todas as mulheres, com ou sem filhos. Numa média global, as mulheres ganham o equivalente a 77% dos salários dos homens.

Ação

O documento afirma que se nenhuma ação for tomada para mudar o quadro, a igualdade de salários só será alcançada em 2086, ou daqui a 71 anos.

A Rádio ONU ouviu o diretor-adjunto da OIT em Nova York. Vinícius Pinheiro explicou que as diferenças não param por aí.

Segundo ele, as taxas de participação no mercado de trabalho entre homens e mulheres estão ainda bastante díspares.

Pinheiro disse que atualmente, 77% dos homens que estão em idade de trabalhar participam da força de trabalho, enquanto que esta taxa para as mulheres é de 50%. Isso representa uma brecha de 27% em relação aos dois lados.

A OIT calcula que reduzir essa diferença para 25%, somente nos países do G20, poderia colocar mais de 100 milhões de mulheres no mercado de trabalho.

Filhos

Para quem tem filhos, a situação melhorou: a porcentagem de países que oferecem 14 semanas ou mais de licença maternidade subiu de 38% para 51%.

Mas no mundo, 800 milhões de mulheres, ou 41%, ainda não têm proteção adequada durante a maternidade.

Vinícius Pinheiro afirmou que a maternidade precisa ser tratada como um processo natural, por isso a flexibilidade é importante.

Ele citou a importância do trabalho remoto e de horários flexíveis para que as mulheres possam continuar mantendo o vínculo empregatício, continuar sendo produtivas e ao mesmo tempo, participar da vida familiar.

Para o diretor da OIT, "é fundamental que haja também uma maior divisão do trabalho entre homens e mulheres, principalmente em relação às tarefas relativas aos cuidados das crianças".

Sistemas de Proteção

Outro ponto importante é a possibilidade de se levar a criança para o trabalho, a proximidade entre o cuidar da criança e o local de trabalho é importantíssima, para Pinheiro.

O diretor destaca ainda a necessidade da implementação de sistemas de proteção social que garantam renda durante a licença-maternidade e permitam às mulheres retornar ao trabalho.

Sobre os direitos dos pais, a OIT informa que em 1994, apenas 28% dos países garantiam a licença-paternidade e o índice subiu para 56% em 2013.

A divulgação do relatório marca o Dia Internacional da Mulher, celebrado no domingo, 8 de março.

Acompanhe outras notícias da Rádio ONU.