OPINIÃO

'Trago Seu Amor De Volta': O que acontece nas consultas de amarração de amor

Fui a três consultas afirmando que o fictício Luiz me abandonara e que eu faria de tudo pra tê-lo de volta na minha vida.

12/03/2017 00:55 BRT | Atualizado 14/03/2017 19:59 BRT
Montagem/Felippe Canale
Blogueiro Felippe Canale fez incursão pelo mundo das amarrações do amor.

Caminhando pelas ruas, provavelmente, você já viu um desses cartazes de "Trago a pessoa amada em 7 dias"ou "Trago o seu amor de volta" expostos em árvores, postes ou muros das cidades.

Para saber o que acontece numa consulta como esta, fui a 3 delas usando câmeras escondidas. Em todas eu afirmava que o fictício Luiz me abandonou e eu faria de tudo pra tê-lo de volta na minha vida.

l- BONECOS DE CERA

Fui atendido numa sala reservada dentro de um sobrado residencial da zona sul de São Paulo. Antes da consulta, atravessei uma sala de TV com crianças que assistiam desenho e uma delas acariciava um gato. Do lado de fora havia cachorros brincando e roupas no varal.

A pessoa que me atendeu jogou búzios e disse que era espírita.

Valor da Consulta: R$ 50,00.

Valor do Trabalho: R$ 850,00 + R$ 200,00 por cada "boneco de cera".

ll- O SACRIFÍCIO DO BODE

O local de atendimento fica num prédio residencial próximo da avenida Paulista. Ele se apresentou como pai-de-santo e no vídeo eu não cito o seu nome. O apartamento, segundo ele mesmo, é usado por uma federação de pais de santo que cuida de vários terreiros.

Durante a consulta também me foi revelada a possibilidade de fazer um pacto com o diabo.

Valor da Consulta: R$ 100,00.

Valor do Trabalho: R$ 1.300,00.

lll- "FUI FEITA NA ÁFRICA"

Numa rua de bastante movimento na região central de São Paulo funciona uma oficina de costura num predinho de três pequenos andares. E no último deles também há o atendimento para se trazer ou ~desfazer~ o amor.

Quem me atendeu disse ser praticante do Ketu, uma das nações do Candomblé.

Valor da Consulta: R$ 50,00.

Valor do Trabalho: R$ 1.200,00.

O vídeo não tem a intenção de promover a intolerância religiosa, mesmo porque nem todo ser humano representa os santos, entidades, anjos, demônios ou deuses existentes (ou não) nessa nossa vida.

As identidades de quem me atendeu nas três consultas foram preservadas. Na saída de cada uma delas, liguei para os envolvidos e cancelei os "trabalhos" alegando que havia mudado de ideia.

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública.