OPINIÃO

As barreiras invisíveis para a conquista da igualdade de gênero

Conquistar a igualdade de gênero não é simples uma vez que existem barreiras institucionais e socioculturais.

08/03/2017 17:35 BRT | Atualizado 08/03/2017 17:37 BRT
NurPhoto via Getty Images
"A maior inserção e qualidade da atuação das mulheres significará mais desenvolvimento econômico para todos."

O Dia Internacional da Mulher é sempre um momento para reflexões sobre os desafios e as lutas das mulheres na sociedade. A igualdade de gênero é um sonho a ser alcançado por grande parte das mulheres no mundo. Apesar dos avanços em algumas áreas, as mulheres ainda têm remuneração menor que os homens, sofrem discriminação em diversas áreas e são poucas as mulheres que ocupam cargos de liderança nas empresas e governos. De acordo com o Global World Forum, ainda existe um gap de 41% entre homens e mulheres na participação no mercado de trabalho. Em alguns países, o índice é ainda maior e representa um dos principais desafios para se alcançar da igualdade entre os gêneros.

A igualdade de gênero tem impacto direto no desenvolvimento econômico, sendo que os países que diminuíram as diferenças entre os gêneros apresentam melhores resultados em termos educacionais e condições de saúde, como também apresentam maior renda per capita e competitividade internacional. O empoderamento econômico feminino significa um desenvolvimento econômico mais inclusivo e sustentável.

Essa realidade impacta de forma direta na capacidade da mulher se empoderar economicamente

E quais seriam as barreiras para alcançar uma melhor igualdade nas relações de trabalho e econômica? Em diversos países ainda persistem critérios discriminatórios contra as mulheres, menor remuneração, a falta de regulamentação para a licença maternidade remunerada e falta de creches para as crianças são barreiras para as mulheres em diversos países no mundo. Mesmo os países que apresentam avanços nas garantias legais para a inserção das mulheres no mercado de trabalho, as condições para a liderança feminina no mercado de trabalho esbarram em fatores sociais e culturais. As mulheres são somente 16% dos membros das equipes de executivos nos EUA, 12% no Reino Unido e 6% no Brasil. O Reino Unido possui um desempenho melhor em relação a diversidade étnica, mas ainda falha em representar a composição demográfica de sua população e força de trabalho, com 22% das empresas com liderança sênior etnicamente diversa. Enquanto o Brasil conta com 9% e os EUA com 3%.

Outra questão que se coloca é o quanto as normas sociais determinam resultados econômicos para mulheres de diversas formas? Quais oportunidades educacionais elas seguirão ou a distribuição dos afazeres domésticos, que acabam por reforçar estereótipos de gênero dentro da nossa cultura e limitam o comportamento profissional das mulheres e por consequência suas chances de progredir na carreira? A visão da mulher como mãe, filha e/ou esposa com responsabilidades familiares, a conhecida "dupla jornada", se opõe a visão do homem, que seria um "trabalhador ideal", ou seja, inteiramente disponível para o trabalho. Essa realidade impacta de forma direta na capacidade da mulher se empoderar economicamente, ou seja, dela ter autonomia de escolha e ação sobre a sua vida profissional e pessoal.

Conquistar a igualdade de gênero não é simples uma vez que existem barreiras institucionais e socioculturais

Os estudos indicam que as empresas que possuem uma força de trabalho diversa em termos de gênero terão seu desempenho financeiro melhorado em até 15%, enquanto empresas que contam também com diversidade étnica poderão ver seu desempenho melhorar em até 35%. Mesmo que esta correlação possa variar de país para país, ou mesmo dentro da realidade e atividade de cada empresa, é possível afirmar que quanto mais as empresas se comprometem com a diversidade, elas terão mais sucesso.

Conquistar a igualdade de gênero não é simples uma vez que existem barreiras institucionais e socioculturais, mas os resultados para a sociedade como um todo mostram-se positivos. A maior inserção e qualidade da atuação das mulheres significará mais desenvolvimento econômico para todos. As empresas e a sociedade ganham com o empoderamento econômico feminino.

*Este artigo é de autoria de colaboradores do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o Huffington Post é um espaço que tem como objetivo ampliar vozes e garantir a pluralidade do debate sobre temas importantes para a agenda pública.

Países que mais tratam homens e mulheres como iguais